Pai de família executada em SP foi preso com “rei do tráfico” em 2015.

Anderson Givago Marinho, 35 anos, Mirele Beraldo Tofalete, 32, e Isabelly Tofalete Marinho, 15, foram mortos a tiros em um canavial

São Paulo – O mecânico Anderson Givago Marinho, 35 anos, assassinado a tiros junto com sua mulher e a filha do casal, em um canavial de Votuporanga, já havia sido preso por tráfico de drogas, em 2015, com Ricardo Luis Pedro, conhecido como o “rei do tráfico”, no bairro São José, na cidade de Olímpia, interior de São Paulo.

Foi de Olímpia que Anderson partiu de carro, rumo a São José do Rio Preto, com sua mulher, Mirele Regina Beraldo Tofalete, e a filha do casal, Isabelly Tofalete Marinho, 15. O intuito era comemorar os 32 anos de Mirele, completados na última quinta-feira (28/12), mesmo dia em que os três desapareceram.

Os corpos deles foram encontrados nessa segunda-feira (1º/1), com marcas de tiros, em uma estrada rural de Votuporanga — cidade a mais de 80 km de distância do destino programado pelas vítimas. Até a publicação desta reportagem, nenhum suspeito havia sido identificado ou preso pela polícia.

A família foi sepultada, sem velório, na manhã desta terça-feira (2/12), em Olímpia.

Histórico criminal
O Metrópoles apurou que Anderson foi preso, em cumprimento a um mandado de prisão, expedido pela Justiça, em 14 de abril de 2015.

Dias antes, ele e outro homem teriam fugido de um rancho, na área rural de Olímpia, quando o “rei do tráfico” e um comparsa foram detidos, em flagrante, com drogas.

Segundo o registro criminal de Anderson, ele foi condenado por tráfico de drogas em 18 de dezembro de 2015, a dois anos e um mês de pena, já iniciada no regime semiaberto.

Antes disso, ele ficou preso provisoriamente no Centro de Detenção Provisória de São José do Rio Preto. O mecânico recebeu o benefício de cumprir o restante da pena, em prisão domiciliar, em abril de 2016.

Investigação
Em nota encaminhada ao Metrópoles, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) de São Paulo afirmou que peritos localizaram “diversas munições” no local onde os corpos das vítimas foram encontrados.

A Polícia Civil investiga o caso como triplo homicídio e realiza diligências para “elucidar o crime”, disse a SSP.

Fonte :