Lula Genocida? Número de mortes de ianomâmis cresce 50% no governo Lula

No primeiro ano de governo Lula, 162 crianças ianomâmis com idades entre zero e quatro anos perderam a vida. Os membros do governo desgastavam a gestão Bolsonaro por genocídio contra os ianomâmis, e até iniciaram investigação federal. Contudo, o número de mortes de bebês ianomâmis com até um ano, em 2023, superou a média dos cinco anos anteriores
O registro de mortes entre os ianomâmis atingiu a marca de 308 em 2023, representando um aumento expressivo de quase 50% em relação ao ano anterior, quando foram contabilizadas 209 mortes indígenas – segundo informações da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai). O dado referente a 2022 foi divulgado no início do mesmo ano pelo governo do presidente empossado Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que acusou a administração de Jair Bolsonaro de “genocídio” contra os ianomâmis, em Roraima, na Região Norte do Brasil.

Estes dados foram apresentados em um relatório divulgado em 21 de dezembro pela Sesai, vinculada ao Ministério da Saúde, englobando informações até o mês de novembro. Os membros do governo Lula aproveitaram da situação, na época, para desgastar o governo Bolsonaro.

Após a divulgação de imagens fortes de indígenas extremamente magros e sofrendo de desnutrição crônica, o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, hoje ministro do Supremo, ordenou, em janeiro de 2023, que a Polícia Federal iniciasse uma investigação sobre membros do governo Bolsonaro por suposta prática de crimes como omissão de socorro e genocídio, caracterizado como suposto extermínio intencional de um povo ou etnia.

No primeiro ano de governo Lula, 162 crianças ianomâmis com idades entre zero e quatro anos perderam a vida, correspondendo a 52,5% do total de óbitos, segundo os dados do relatório da Sesai. As mortes de bebês com até um ano de idade, totalizando 104, representam um terço do total. As principais causas de morte incluíram:

Doenças respiratórias (66);
Causas externas (65) e;
Doenças infecciosas e parasitárias (63).
O número de mortes desses bebês ianomâmis com até um ano superou a média dos cinco anos anteriores, abrangendo o período da pandemia de Cøvid-19. Segundo o órgão do Ministério da Saúde, de 2018 a 2022, ocorreram 505 óbitos de crianças com até um ano, resultando em uma média de apenas 101 mortes por ano – com aumento em 2023.

Após a iniciativa de Dino, o ministro Luís Roberto Barroso, atual presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a ampliação da investigação conduzida pela PF, que segue em sigilo. Lula ainda não se pronunciou sobre a situação dos ianomâmis.

Fonte :