Julgamento de Daniel Alves na Espanha durará 3 dias, e brasileiro e 28 testemunhas falarão; veja detalhes

Preso desde janeiro de 2023, ex-jogador é acusado de agressão sᕮxual contra uma mulher dentro de uma boate de Barcelona. Segundo imprensa espanhola, defesa do jogador tenta acordo para evitar tribunal.

O julgamento na Espanha do ex-jogador brasileiro Daniel Alves, acusado de ter abusado uma mulher em uma boate em Barcelona, vai durar três dias e terá declaração de Alves.

A Audiência de Barcelona, a instância mais alta da Justiça local, confirmou nesta segunda-feira (29) que o julgamento de Alves ocorrerá entre 5 e 7 de fevereiro em um tribunal da cidade, como havia afirmado a imprensa espanhola em dezembro.
As sessões terão depoimentos de Alves e de 28 testemunhas que estavam na boate de Barcelona na noite em que o suposto estupro ocorreu, em 30 de dezembro de 2022. Elas foram indicadas para participar do julgamento tanto pela defesa quanto pela acusação.

Alves deve falar já na primeira sessão, em 5 de fevereiro. Nesse mesmo dias, seis testemunhas prestarão depoimento. As outras 22 testemunhas falarão no dia seguinte. Já a última sessão, em 7 de fevereiro, será dedicada a trâmites periciais, que entregarão um relatório e conclusões.
A partir daí, a juíza Isabel Delgado Pérez, que julga o caso, ficará responsável por elaborar a sentença. Ao g1, o tribunal disse que ainda não há prazo para que saia a sentença final ao jogador. Até lá, Daniel Alves permanecerá em prisão preventiva, segundo a decisão atual da Justiça.
O Ministério Público espanhol pede nove anos de prisão ao jogador. A defesa da suposta vítima queria uma sentença maior, de 12 anos de prisão.
A suposta vítima, uma jovem espanhola, não deverá ir ao julgamento, já que a Justiça determinou que sua identidade seja preservada.
Tentativa de acordo

Em uma corrida contra o tempo e a uma semana do início do julgamento, a defesa do brasileiro ainda tenta um acordo com advogados da suposta vítima antes do julgamento, segundo fontes dos dois lados ouvidas pela rede de TV espanhola Telecinco.
Caso haja um acordo, as acusações são retiradas, e o julgamento é cancelado.

Segundo a Telecinco, citando fontes da acusação, as conversas sobre um acordo chegaram a ser protocoladas na Justiça, mas a divulgação de imagens da suposta vítima pela mãe de Daniel Alves esfriaram as negociações.

No fim de dezembro de 2023, Lucia Alves, mãe do jogador, publicou em suas redes sociais um vídeo com imagens de uma jovem que afirmou ser a espanhola que alega ter sido abusada pelo brasileiro.

A Justiça de Barcelona havia proibido a difusão de informações e imagens da suposta vítima enquanto o processo corre.
A jovem anunciou que vai processar a mãe do jogador, de acordo com o jornal espanhol “El Periódico”

Acusação

Alves, ex-jogador da seleção brasileira é acusado de agredir sᕮxualmente uma mulher dentro de uma boate de Barcelona em dezembro de 2022. Ele nega.
Na Espanha, denúncias de estupro são investigadas sob a acusação geral de agressão sᕮxual, e as condenações podem levar a penas de prisão de 4 a 15 anos.
Desde janeiro, quando foi ouvido pela polícia pela segunda vez e se contradisse, Daniel Alves está em prisão preventiva, sob a alegação de risco de fuga. Ele não tem direito a fiança e seguirá no mesmo presídio, nos arredores de Barcelona, enquanto aguarda o julgamento.
O brasileiro mudou sua versão pelo menos três vezes.
Na primeira vez em que falou sobre o caso, em um programa de TV da Espanha, ele afirmou que não conhecida a denunciante.
Em abril, já preso, Alves declarou à juíza responsável pelo caso que manteve relações sexuais consensuais com a jovem sem penetração. O brasileiro argumentou ter mentido em um primeiro momento para ocultar a relação extraconjugal da esposa, a modelo espanhola Joanna Sanz, que posteriormente pediu a separação.
Em uma última versão, Alves reconheceu que houve penetração, mas repetiu que a relação foi consensual, o que a suposta vítima nega.

A juíza do caso também determinou que Daniel Alves precisará pagar 150 mil euros (cerca de R$ 798 mil) à suposta vítima para cobrir eventuais danos e prejuízos.

Fonte – g1