Jovem é morta e marido alega possessão, mas filho de dois anos denuncia: ‘Papai fez ‘pow’, e caiu’; homem foi preso.

Para tentar escapar, o homem dizia que a jovem estaria possuída e que ela mesma se matou, mas, além da criança, polícia encontrou evidências.

Há um ditado que diz: nenhum crime é perfeito. Prova disso foi o que aconteceu no sábado (10), em uma casa do bairro São Miguel, em Curitiba. Nayara Queiroz Farias, de 25 anos, foi encontrada morta e o marido disse a todo mundo que ela “estava possuída” e se matou. A Polícia Civil encontrou evidências de que, na verdade, o marido quem a matou, e o filho do casal, de dois anos, contou do jeito dele o crime à polícia. O marido foi preso.

O crime foi descoberto por volta das 18h, depois que o homem foi com a mãe dele, o filho e uma tia, até a casa da família de Nayara pedir ajuda, dizendo que ela muito exaltada.

“O marido dela começou a se exaltar falando que ela estava se agredindo, batendo a cabeça na parede e disse que nunca viu ela tão roxa assim. Fiquei muito assustada, larguei tudo a casa daquele jeito e fomos até lá”

Contou a irmã da jovem, Nayla Queiroz.

Quando chegaram à residência, o homem começou a falar que alguma coisa tinha acontecido com Nayara. A irmã entrou na casa e, por estar sem luz por ter chovido, começou a procurar.

“Peguei a chave da casa, porque ele tinha trancado, abri a porta, estava sem luz. Entrei, chamei ela, e quando fui chegar no terceiro quarto, não a encontrei. Ele não tinha nem entrado na casa, falou que talvez ela tivesse saído. Quando abri a porta do banheiro, resolvi ligar a lanterna, bati a lanterna no pé dela, estava encostado na parede, a cara dela estava enorme, com os dentes quebrados, roxa, roxa roxa, eu me desesperei, gritei, tentei chamar a polícia. Pedi para ele chamar a polícia, ele não fez nada, até ligou o chuveiro para tentar acordar ela”

Contou a irmã da vítima.

Uma vizinha chamou a polícia. Com a chegada da equipe, o homem foi ouvido, e foi aí que começou a entrar em contradição.

“O depoimento não batia, porque ele falou que mandou uma mensagem falando que a Nayara estava tentando se suicidar, e não chegou mensagem para ninguém. Não havia nada que indicasse que foi um suicidio. Viram marcas no pescoço dela, eles já conhecem. Não estavam batendo as informações”

Disse Nayla, a irmã da jovem.

Para tentar escapar, o homem dizia que a jovem estaria possuída e que ela mesma se matou. Apesar disso, a irmã de Nayara disse que na casa não havia sinais de sangue e que a vítima estava roxa, desfigurada.

“A todo o momento ele falava que minha irmã estava possuída pela Maria Padilha, minha irmã nunca falou isso e ele falando que era louca, que estava possuída. Não faz sentido porque ela era evangélica, ia para a igreja, até a pastora ligou para a gente”

Comentou a irmã.

O filho do casal, que estava na casa no momento do crime, acabou dando aos policiais mais indícios de que o pai teria feito alguma coisa.

“Meu sobrinho, de dois anos, viu tudo. Um dos policiais, que conversou com meu sobrinho de dois anos, o menino falou “mamãe matou, papai fez pow, e caiu” […]. Quero muito que ele fique preso e pague tudo que ele fez pela minha irmã, porque o que ela sofreu ninguém merece. Espero muito que ele apodreça na cadeia”

Desabafou Nayla.

Preso em flagrante

A equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi ao local para apenas confirmar o que, no início, se tratava de um suicídio.

“Em conversa com o marido, ele informou que a vítima fez sinais, se dizia possuída por uma determinada entidade, e que estaria segurando no pescoço e que essa entidade que matou a vítima. Diante da falta de coerência na narrativa e por, cientificamente, isso ser muito improvavel, nunca ter dito nenhuma situação dessas, de a pessoa conseguir se matar desse jeito, verifica-se que se tratava de uma mentira”

Contou a delegada Aline Manzatto.

A polícia confirmou que a casa estava fechada quando a irmã da vítima foi até lá com o cunhado.

“Então verifica-se que ele fechou a casa, ele estava sozinho quando supostamente a vítima estava sendo morta pela dita entidade, então tudo isso leva a crer que ele foi o autor do feminicídio. O marido foi autuado em flagrante pelo feminicídio”

Concluiu a delegada.

Nayara deixa o filho, de dois anos. O corpo será sepultado na tarde desta segunda-feira (12), no Cemitério Municipal do Boqueirão.