Xerife do Verdão, Gustavo Gomez fala sobre chegada ao Palmeiras e relação com Abel Ferreira

inbound5202477507387307227

No Palmeiras desde 2018, quando foi peça fundamental na conquista do decacampeonato Brasileiro sob o comando de Luiz Felipe Scolari, o zagueiro Gustavo Gómez se firmou entre os titulares absolutos da equipe. E não foi diferente com a chegada do técnico Abel Ferreira, que entregou ao defensor a braçadeira de capitão na ausência de Felipe Melo.

PUBLICIDADE

Em entrevista ao programa Resenha, da ESPN Brasil, o paraguaio falou sobre o estilo de jogo do Palmeiras e, inclusive, revelou o que Abel Ferreira falou logo que chegou ao clube, em novembro, ainda desconhecido e sem títulos no curto currículo como técnico profissional após passagens por Braga, de Portugal, e PAOK, da Grécia.

“Um zagueiro tem que perceber quando pode sair jogando. Depende do adversário, também. Eu lembro quando o professor Abel Ferreira chegou e falou: ‘Eu não sou Guardiola, eu sei minha capacidade, não vou pedir para sair jogando’”, lembrou Gustavo Gómez.

O zagueiro palmeirense destacou que é um defensor ‘simples’, que opta primeiro por defender e escolher as jogadas mais seguras. “Quando um zagueiro tem que arriscar, ele sabe o momento. Quando você toma a decisão se você tem que dar um passe pela lateral ou por dentro, você tem que saber o momento. Eu sou assim, sou um zagueiro normal, simples. Gosto de primeiro defender, porque meu trabalho é defender. Depois, dar um passe firme, um passe bom. Sempre olhar para a opção da frente, mas tem que jogar simples e seguro”.

“Depende também do adversário, né. Quando você joga em casa, a tendência sempre é de ter a bola, de atacar, principalmente com time grande como o Palmeiras. Jogando em casa você tem que ter naturalmente mais responsabilidade pra jogar”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.