dentro

WSJ: venezuelanos estão fugindo em massa para os EUA

Em um ano, 130 mil pessoas decidiram escapar da ditadura de Nicolás Maduro e enfrentar a longa travessia até a fronteira com o México

O Wall Street Journal publicou hoje uma longa reportagem sobre a crescente fuga de venezuelanos em direção aos EUA. Entre abril de 2021 e fevereiro de 2022, 130 mil pessoas decidiram escapar da ditadura de Nicolás Maduro e enfrentar a longa travessia até a fronteira com o México.

A onda aproveita a política menos restritiva do governo Joe Biden com relação à imigração ilegal. Entre abril de 2021 e março de 2022, apenas 4.470 venezuelanos foram apreendidos na fronteira norte-americana. Mesmo assim, formam o segundo maior grupo de imigrantes, atrás apenas dos mexicanos.

A reportagem foca na saga da família de José Lopez, que atravessou quase 6,5 mil quilômetros a pé e de ônibus para cruzar toda a América Central e o México até os EUA. Segundo o texto, assinado por Jenny Carolina Gonzalez e Juan Forero, a família Lopez só se convenceu de que o pesadelo havia terminado quando saiu do metrô na iluminada Times Square de Nova Iorque.

José Lopez reclamou que os venezuelanos são maltratados na Colômbia, no Peru e no Equador. E que seus direitos são respeitados nos EUA. Niurka Meléndez, que chefia um grupo de apoio a imigrantes em Nova Iorque, falou ao WSJ sobre um problema adicional: “Somos um alvo para os contrabandistas de pessoas, que por apenas US$ 2,5 mil vendem pacotes turísticos para o sonho norte-americano. Se eu disser que vou para lá, um grupo criminoso do crime organizado vai me transportar, porque eles me veem como dinheiro em caixa.”

O sonho norte-americano parece estar cada vez mais forte para os venezuelanos em fuga. Um fugitivo político conta que foi muito bem recebido pelas autoridades dos EUA: “A comida era boa, eles nos deram suco, cereais e muito conforto. Nós tínhamos televisão e tudo mais. Era um hotel cinco-estrelas”.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.