dentro

Vídeo mostra russos recolhendo corpos após massacre em Mariupol

Um vídeo atribuído ao Exército russo mostra militares recolhendo corpos na cidade de Mariupol, no sul ucraniano. O registro teria sido feito após a repercussão mundial de uma gravação que mostra corpos jogados nas ruas de Bucha, cidade próxima a Kiev, ou enterrados em valas rasas. VEJA:

Mariupol se tornou um dos principais alvos de ataques. Segundo a prefeitura, 90% dos prédios foram danificados e 40% destruídos, incluindo hospitais, escolas, creches e fábricas. Cerca de 140 mil pessoas fugiram da cidade. Considerada estratégica pela Rússia, por sua posição geográfica, a cidade está há mais de um mês cercada por militares russos.

40 dias de guerra

A guerra na Ucrânia chega ao 40º dia nesta terça-feira. A invasão russa começou em 24 de fevereiro, e, desde então, os bombardeios não pararam. Cidades inteiras, como Bucha e Mariupol, foram dizimadas pelos ataques. Mais de 4 milhões de pessoas fugiram do território ucraniano por causa do conflito.

Representantes dos governos de Israel e da China fizeram declarações importantes sobre o confronto. O país do Oriente Médio acusou a Rússia de crimes de guerra. Já a nação asiática defendeu uma acordo de paz.

Troca de acusações

Nesta terça-feira, Ucrânia e Rússia voltaram a trocar acusações na Organização das Nações Unidas (ONU). Ucranianos falam em crimes de guerra; os russos, em “eliminar o nazismo” no país vizinho.

A União Europeia e os Estados Unidos alinham uma nova rodada de sanções econômicas contra o país de Vladimir Putin. A intenção é desmonetizar o governo, para que o Kremlin não tenha mais condições de financiar a guerra.

Zelensky

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, voltou a acusar as tropas russas de tortura.

“Civis foram atingidos por tiros na cabeça após serem torturados. Mortos dentro de apartamentos e casas. Civis atropelados por tanques. Apenas por divertimento, cortaram membros; mulheres foram abusadas, e pessoas tiveram línguas cortadas”, detalhou.

Rússia nega

A diplomacia russa voltou a falar em “nazismo” como justificativa para invasão ao território ucraniano, em 24 de fevereiro. Durante sessão do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o embaixador russo, Vassily Nebenzia, defendeu que os seus conterrâneos estão “levando a paz” ao país vizinho.

“Viemos levar a paz para a Ucrânia, para tirar o tumor nazista que está consumindo a Ucrânia e que em breve nos consumiria, e vamos conseguir nosso objetivo”, declarou nesta terça-feira (5/4). Ele negou que crimes de guerra tenham acontecido durante o conflito.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.