“Temos que chegar a um nome de centro até novembro”, diz João Doria

joao doria sergio lima 868x644 1 868x644 1
Poder Em Foco - Ministro André Luiz de Almeida Mendonça (André Mendona) atual advogado-geral da União do Brasil. Advogado e pastor presbiteriano, é o entrevistado do Poder em Foco, programa semanal realizado por meio de parceria editorial entre SBT e Poder360 que vai ao ar por volta da meia-noite. Sérgio Lima/Poder360 09.dez.2019 |

O governador de São Paulo e possível candidato à Presidência da República em 2022 João Doria (PSDB) disse que o centro precisa encontrar, até novembro, um nome único para enfrentar o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


A declaração foi dada em entrevista ao jornal O Globo, publicada neste domingo (25.abr.2021).


“Neste momento, é a hora de manter esse campo do polo democrático mais expandido. Ao final do ano, provavelmente em novembro, ele deverá estar ampliado no seu âmbito de referências, mas com a definição de um nome que possa representar o centro no embate eleitoral”, disse o tucano.


Doria afirmou que “todo início exige amplitude” para que depois possa chegar ao resultado. “Por isso, são 7 nomes que compõem esse polo democrático. Os pensamentos não são iguais. Mas nós convergimos em um ponto: a defesa do Brasil. Neste momento, isso basta. É um fator importante de coesão”, afirmou.


Questionado sobre uma possível aliança com Ciro Gomes, Doria afirmou que “nesse momento, não se pode descartar nada”. “Temos que ter uma visão um pouco mais sublimada das questões partidárias, eleitorais e até ideológicas. Colocar o Brasil em primeiro lugar e manter esse pensamento até o limite do possível. Qual é esse limite? A meu ver, será novembro, um ano antes do pleito eleitoral. Até lá, temos que dialogar e evoluir até chegarmos a um nome que permita uma conclusão”, disse.



João Doria também comentou sobre possíveis outros nomes no PSDB de postulantes ao Planalto. “Isso não me causa incômodo, faz parte da história do PSDB. Vivenciei isso em 2015. Disputei as prévias e venci. Em 2018, a mesma coisa. Não tem problema algum. Tasso Jereissati, Eduardo Leite, Arthur Virgílio, todos merecem todo o respeito. Isto prova que o PSDB é um partido democrático”.


Na entrevista, Doria referiu-se a Jair Bolsonaro como “psicopata” e disse que o Brasil neste momento é um “oceano de fracassos”. “Na saúde, na ciência, no meio ambiente, na educação, na proteção aos mais pobres. Vai demorar para recuperar o Brasil depois de Bolsonaro”, declarou.


O governador de São Paulo afirmou que se equivocou ao apoiar Jair Bolsonaro em 2018. “Errei ao votar em Bolsonaro e assumo isso. Como eu, milhões de outros brasileiros também votaram em Bolsonaro, contra o projeto do PT, e cometemos um grave equívoco. Eu assumo tacitamente isso. Mas não vou errar novamente”.


Pesquisa PoderData apontou que caso a eleição presidencial fosse hoje, Jair Bolsonaro (sem partido) iria para o 2º turno com Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O petista tem 34%, e o atual presidente tem 31%.


Depois de Bolsonaro e Lula, todos os demais candidatos testados têm 6% ou menos. Ciro Gomes (PDT) e Luciano Huck têm 6%. João Amôedo (Novo) aparece com 5% das intenções de voto. João Doria (PSDB), fica com 4%. Sergio Moro (sem partido) tem 3% e Luiz Henrique Mandetta (DEM), 2%.


Levantamento do PoderData também mostrou que só 13% dos eleitores não votariam nem em Lula nem em Bolsonaro. Entre aqueles que não querem votar no militar nem no petista, 12% votariam em Luciano Huck (sem partido) ou João Doria (PSDB). Sergio Moro (sem partido) tem a preferência de 10%. João Amoêdo (Novo), 8%. Já Ciro Gomes (PDT) e Mandetta (DEM) somam 6% cada um.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.