Senna só corre se pedir desculpas à FIA

Ayrton Senna Alain Prost Phoenix GP 1989

JORNAL DO BRASIL

Automobilismo

quinta-feira, 11/01/1990

1° caderno

Pagina 25

PARIS – Quem imaginava que os problemas de Ayrton Senna, quanto ao desfecho da última temporada, terminaram com as punições que recebeu da Federação Internacional de Automobilismo, se enganou. Ele pode até não correr este ano. Ontem, o presidente da FIA, Jean-Marie Ballestre, negou ao piloto a superlicença para competir na temporada de 1990. E só a concede-rá, se o brasileiro se desculpar pelas críticas que fez à entidade e à Fisa (Federação Internacional de Esportes Automobilísticos), após o Grande Prêmio do Japão, no qual foi desclassificado, depois de receber a bandeirada de vencedor, numa decisão que deu ao francês Alain Prost seu terceiro título na Fórmula I.

Ballestre recebeu Senna no dia 6 de dezembro, em Paris, e disse que o piloto “manteve uma conduta arrogante e desrespeitosa”, negando-se a se retratar das declarações no Japão, segundo as quais houvera manipulação da FIA e da Fisa em favor de Alain Prost, na decisão do Campeonato de Pilotos do ano passado. Para o presidente do organismo máximo do automobilismo mundial, Senna, se quiser correr a temporada de 1990, deverá “retirar suas mentiras”.

O dirigente, que também preside a Fisa, exige que Senna se desculpe publicamente pelas acusações. Poucos dias após o conturbado GP japonês, a FIA multou o brasileiro em US$ 100 mil e o suspendeu por seis meses, com direito a sursis, considerando que ele cometera várias irregularidades, não só na prova disputada em Suzuka, mas também em outras corridas das temporadas de 1988 e 1989. “O Conselho Mundial da FIA decidiu que Senna não terá acesso á superlicença enquanto não se retratar publicamente de suas declarações e reconhecer que o resultado do campeonato do ano passado estava acima de qualquer suspeita e reprovação”, afirmou Ballestre, numa conferência de imprensa, na sede da FIA.

Diplomacia — O prazo para a concessão de superlicenças aos pilotos termina no dia 15 de fevereiro. “Em todo esse assunto, não tenho nenhuma responsabilidade pessoal, pois tudo foi decidido pelo Conselho Mundial, integrado por personalidades do porte dos presidentes das federações de Estados Unidos, Japão, Alemanha Ocidental e Grã-Bretanha”, declarou o dirigente, concluindo com uma tentativa de receber a simpatia dos brasileiros: “Quero voltar tranqüilamente ao Brasil, pais que admiro e no qual tenho bons amigos. Entre eles, alguns que, curiosamente, foram, do mesmo modo que Senna, campeões do mundo, como Nélson Pique e Emerson Fittipaldi.”

GP do Japão, a 22 de outubro passado, foi o penúltimo da temporada. E o único resultado que impedida o titulo de Prost seria a vitória de Senna. O brasileiro, que vencera a prova anterior, na Espanha, era polo position . O francês, que largava a seu lado no grid, saiu na frente e conseguiu boa vantagem. Senna foi reduzindo a diferença e, faltando poucas voltas, tentou a ultrapassagem na curva de acesso á chicane. Foi fechado e os dois canos se enroscaram.

O francês Jean-Marie Ballestre, 68 anos, preside a FIA (desde 78) e da Fisa (desde 73), mas quase nunca é levado a sério na Fórmula I. Agora, ele está disposto a fazer valer sua autoridade e vencer a guerra que trava com Bernie Ecclestone, presidente da Foca (Associação dos Construtores de Fórmula 1), pelo poder na categoria. Ele já se viu em situação delicada, diante de um dossiê que comprovava seu engajamento nas tropas da SS, durante a ocupação da França pela Alemanha, na Segunda Guerra Mundial.

O campeonato perdido para Prost ainda incomoda Senna

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.