Senna desprezava Schumacher quando assinou com a Williams

senna e schumacher

“O cara venceu dois grandes prêmios na vida até hoje, nada mais, e se acha um campeão do mundo, alguma coisa assim…”

Sergio Quintanilha

19 mai 2021

Senna e Schumacher em 1994: tricampeão foi surpreendido.

Foto: Divulgação

Com a realização do Grande Prêmio de Mônaco sempre vem a lembrança de seus maiores vencedores: Ayrton Senna (seis vezes), Michael Schumacher e Graham Hill (cinco vezes cada). Schumacher iniciou sua lista de vitórias em Mônaco logo depois que Senna morreu, em 1994. Poucos meses antes, entretanto, Senna não considerava Schumacher um futuro campeão do mundo.

“Acho que o Schumacher, como tantos outros jovens, tem sede de vencer, mas talvez não tenha uma estrutura suficiente para administrar o sucesso tão cedo. Ele é competitivo e está tendo sucesso”, disse Ayrton Senna durante uma entrevista à revista Grid. “Só que essa falta de estrutura acaba trazendo uma série de situações indesejáveis… no relacionamento com as pessoas, pô! Não é só comigo. Isso tem sido uma constante para ele.” 

Senna continuou: “Schumacher não é visto da forma mais simpática dentro da Fórmula 1. Ele é visto como muito estrela. O cara venceu dois grandes prêmios na vida até hoje, nada mais, e se acha um campeão do mundo, alguma coisa assim…”

Senna, tricampeão, explica ao jovem Schumacher como são as coisas.

Foto: Divulgação

Senna tinha acabado de assinar contrato com a Williams, em 1993, e era o favorito disparado para ser campeão mundial no ano seguinte. Michael Schumacher corria pela Benetton e tinha vencido duas corridas: Bélgica (1992) e Portugal (1993). Tinha 38 Grandes Prêmios no currículo. Ayrton Senna, ao contrário, era tricampeão do mundo, tinha 158 GPs disputados e 41 vitórias.

Ayrton já havia se desentendido com Michael em algumas ocasiões. Por isso, não disfarçava um certo desprezo que sentia pelo futuro heptacampeão do mundo. Senna também jogou farpas contra Alain Prost, que teria vetado sua participação na Williams.

“Eu vou correr na Williams e ele não vai estar lá”, disse Senna. “Se ele disse que poderia me barrar, eu me surpreendo, pois não foi ele quem declarou tantas vezes que não tinha o direito de barrar ninguém, que isso era uma decisão da equipe? Então o Prost, apenas para variar, como sempre, fala muito. Ele ganharia muito mais se falasse menos. É isso que acontece com ele: fala demais!” Clique aqui para ler a entrevista completa.

Senna quase agrediu Schumacher quando estava na McLaren.

Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.