Rede Globo e G1 condenados por danos morais

Design sem nome 1 1 990x557 1

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) condenou a Rede Globo a pagar indenização de R$40 mil a Evandro de Araújo Paula devido a uma reportagem, veiculada no Jornal Nacional e no Portal G1, que o associou a um protesto que, segundo a emissora, teria inspirações no grupo Ku Klux Klan.

Por determinação do juiz Romulo Batista Teles, o trecho da matéria do G1 que faz referência a Evandro de Araújo, que também é assessor da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), terá que ser excluído sob pena de multa. Em entrevista, ele disse não considerar a vitória só sua, mas dos conservadores.

Evandro foi acusado pela emissora de ser um dos organizadores do Grupo 300, coordenado pela ativista Sara Winter, presa após realizar atos pacíficos contra ações do Supremo Tribunal Federal (STF) no primeiro semestre de 2020.

O analista político Bruno Dornelles que participou novamente da bancada do Boletim da Noite na última sexta-feira (08), lembrou da importação das pautas racistas dos Estados Unidos e como essas narrativas da mídia não fazem sentido para os brasileiros.

“Pois é, a melhor coisa a se fazer sempre, quando você é atacado, e tirado como racista, supremacista branco… é entrar justamente com um processo, visando a recomposição psíquicos, morais, individuais causados à honra do Evandro, assessor que tive a honra de conhecer em um evento onde esteve a Bia Kicis, e a Globo não se quer se deu ao trabalho de adaptar narrativas, porque essa de supremacia branca e tudo mais é uma coisa que tentaram importar grosseiramente no Brasil depois do sucesso que foi nos Estados Unidos o Black Lives Matter e a coisa não colou”, frisou.

Algo errado com esse post?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.