Quem era a jovem que morreu após encontro com jogador do Corinthians.

Estudante de enfermagem e filha de PM, a jovem Livia Gabriele, de 19 anos, morreu após encontro com jogador do sub-20 do Corinthians

São Paulo – A jovem Livia Gabriele da Silva Matos, de 19 anos, que morreu após um encontro com o jogador Dimas Cândido de Oliveira, 18, da categoria sub-20 do Corinthians, morava com os pais e era estudante de enfermagem.

Livia era filha do policial militar aposentado Rubens Chagas Matos, 54, que serviu mais de 30 anos nas tropas da corporação. A casa da família fica na região da Penha, na zona leste da capital paulista.

Em depoimento na delegacia, o PM contou que a filha tinha falado para a família que iria sair com uma amiga, também filha de policial, que é conhecida como “Campos”. Ela saiu de casa por volta das 17h30 de terça-feira (30/1).

Segundo a jovem falou aos pais, a amiga e ela iriam a um restaurante para assistir ao jogo do Corinthians, que enfrentou o São Paulo naquela noite, em clássico válido pelo Campeonato Paulista.

A jovem, no entanto, foi se encontrar com Dimas no apartamento do jogador, no Tatuapé, bairro que também fica na zona leste. À polícia ele contou que Livia passou mal durante uma relação sᕮxual e desmaiou.

Sangramento
A jovem apresentava um sangramento na vagina, provocado por um corte de aproximadamente 5 centímetros.

De acordo com Dimas, ele chegou a ligar para o Samu e foi orientado a fazer massagens cardíacas até a chegada da equipe médica. Também afirmou ter acompanhado o resgate da jovem na ambulância.

A estudante foi socorrida no Hospital Municipal do Tatuapé e morreu após ter quatro paradas cardíacas. O médico não soube responder o que poderia ter provocado o corte e disse que o corpo passaria por exame no Instituto Médico Legal (IML).

Dimas foi ao hospital sem camisa ou documento. Lá, também se encontrou com o pai de Livia. Na delegacia, o PM relatou que o jogador não teria demonstrado preocupação com Livia, e que eles chegaram a discutir. Uma viatura da PM foi acionada para intervir.

Depoimentos
O pai disse, ainda, que a jovem não usava drogas e não tinha o hábito de ingerir bebidas alcoólicas.

Já o jogador informou ter conhecido a estudante pelo Instagram e que os dois marcaram o primeiro encontro naquela ocasião. A jovem teria ido sozinha até o apartamento e foi recebida por ele no portão.

Dimas também afirmou que os dois não fizeram uso de álcool ou de outras drogas, mas que a jovem estaria com dois cigarros eletrônicos. Ela teria passado mal durante a segunda relação sᕮxual.

Ainda de acordo o jogador, a irmã da estudante teria dito que Livia usava remédio para ansiedade e havia tomado uma cerveja à tarde, antes de encontrá-lo.

O Metrópoles não conseguiu contato com a defesa do jogador. O espaço está aberto para manifestação.

Em nota, o Corinthians informou estar “ciente dos acontecimentos que envolveram um de seus atletas da base”. O clube acrescentou que “aguarda a investigação dos fatos e está à disposição para colaborar com as autoridades e as famílias”.