Pré-candidatos a presidente se unem para atacar Bolsonaro durante debate

brazil conference presidenciaveis 17abr2021 868x605 1

Cinco nomes cotados para disputar a Presidência em 2022 se uniram no sábado (17.abr.2020) para atacar o presidente Jair Bolsonaro e seu governo.

Os governadores João Doria (São Paulo) e Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), o ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes, o ex-ministro da Educação Fernando Haddad e o apresentador Luciano Huck participaram da “Brazil Conference”, um evento on-line organizado pela comunidade de estudantes brasileiros nas universidades americanas de Harvard e MIT. O debate foi feito em parceria com o jornal O Estado de S. Paulo.

Doria, Ciro, Huck e Leite já haviam se unido em um manifesto a favor da democracia, divulgado em 31 de março, contra o presidente. No evento, os participantes criticaram as políticas do governo federal. Além de questionamentos relacionados a atuação do governo no combate à pandemia, foram mencionadas deficiências em áreas como educação, tecnologia, política social, ambiental e externa.

Apesar de divergências ao longo do debate no que consideraram as prioridades para a economia brasileira, o ambiente da conversa foi amigável. Todos se uniram em críticas ácidas ao presidente.

O governador de São Paulo João Doria chamou Bolsonaro de “facínora genocida“. Leite criticou a área econômica, afirmando que “o presidente não tem uma agenda clara para a economia”.

O apresentador Huck falou sobre a área educacional, e mencionou “irrelevância do ministro Milton Ribeiro”.

Haddad afirmou que “não existe qualquer ponto positivo na gestão do governo federal”, citou dados de mortes na pandemia e afirmou que a pressão sobre o governo federal tem de se intensificar.

Ciro Gomes afirmou que o presidente tem a intenção de formar “uma milícia para resistir, de forma armada, à derrota eleitoral“. Na live de 5ª feira (15.abr.2021) , Bolsonaro impôs como condição para aceitar eventual derrota eleitoral que a eleição fosse “auditável”. O presidente é defensor do voto impresso, que está sendo discutido no Congresso, mas que não é mais adotado no Brasil

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.