PM esquece celular no carro, acusa e mata jovem negro em SP

IMG 20210813 122434

Um cabo da Polícia Militar de São Paulo, Silvio Pereira dos Santos Neto, de 29 anos, foi preso em flagrante no último sábado (7/8) depois de ter matado, com dois tiros, um jovem negro, de 20. Clayton Abel de Lima foi acusado pelo agente de ter roubado um celular. No entanto, o aparelho em questão havia sido esquecido pelo PM dentro do veículo. As informações são do portal Ponte.

Segundo informaram testemunhas ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso, Neto e Lima chegaram por volta das 3 horas da madrugada de sábado, juntos e bêbados, a um bar na rua Basílio Alves Morango, na Vila Medeiros, zona norte de São Paulo.

Alguns minutos mais tarde, uma confusão entre eles começou. O PM começou a acusar Lima de ter roubado o aparelho de celular dele. Foi aí que, em meio uma intensa discussão com a vítima, o policial sacou a arma e disparou dois tiros.

Em depoimento aos militares que atenderam a ocorrência, Neto disse que havia “sofrido” uma tentativa de roubo e reagido. Durante perícia no carro do PM, além do celular, foram encontrados um cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e um boleto bancário em nome da vítima. O delegado Ricardo Lemes de Araujo, do DHPP, indiciou o agente por homicídio doloso.

Segundo Araujo, o cabo não estava “confinado em situação de perigo que justificasse reação imoderada e desproporcional”. O policial está em prisão preventiva. O Ministério Público Estadual o denunciou por homicídio qualificado por motivo fútil.

“O crime foi cometido por motivo torpe consistente em vingança por um suposto furto de celular que o indiciado acreditava que a vítima tivesse cometido contra ele. Foi, ainda, cometido mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, que não imaginava que seria alvejada pelo indiciado e foi atacada por ele de forma inesperada”, argumentou a promotora Tatiana Calé Heilman.

Questionada pelo portal Ponte, as assessorias da Secretaria da Segurança Pública, da Polícia Militar e da Oliveira Campanini Advogados Associados, que representa Silvio no processo, não se manifestaram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.