Pai invade sala e agride professor acusado de assediar adolescente

0 31

Um pai invadiu a sala de aula e espancou o professor de matemática da filha, de 14 anos, depois que ela revelou ter sido importunada sᕮxualmente pelo educador em uma escola pública de Cosmópolis, no interior de São Paulo. 

Nos áudios enviados ao pai, a garota diz: “Ele pegou e falou assim: se eu não fosse casado, eu ‘coisaria’ com você. Aí, eu fingi que não tinha ouvido. aí, ele pegou e falou de novo”. Segundo a adolescente, o professor mostrou uma foto com um efeito em que ele aparecia como se fosse mulher e disse: “Olha como eu fico lindo. Você me pegaria se eu fosse assim?”.

A aluna ainda disse que não foi a única vítima do assédio: “Eu presenciei várias vezes ele passando a mão na cintura da minha melhor amiga. Ele ficou assim passando a mão na perna da minha colega de classe.Ele passava a mão nas meninas, ele bateu na bunda de uma menina da minha escola com um caderno”.

Em vídeo gravado por uma aluna, o pai aparece agarrado ao professor que está com a cabeça abaixada para se proteger, enquanto um colega tenta conter as agressões. Em seguida, ele derruba o colega e dá uma sequência de socos na cabeça e no abdômen da vítima. Depois, vêm as joelhadas. Deseperadas, professoras tentam acabar com a violência.

Em outro vídeo, o professor Alessandro Emiliano de Araújo, de 45 anos, aparece com vários ferimentos nos braços e na cabeça. O colega dele, Claudio Milke, de 49, não se feriu. O pai vai responder pelo crime de lesão corporal.

“A minha esposa me ligou deseperada também dizendo que a minha filha estava com problema na escola. Quando eu cheguei na sala a atitude de pai veio à flor da pele e vias de fato. É lógico que foi uma atitude errada da minha parte de agredir”, afirmou o pai.

A Secretaria Estadual da Educação informou que repudia qualquer forma de assédio e agressão dentro do ambiente escolar, que vai apurar o caso e dará assistência psicológica à aluna. o professor negou todas as acusações e pediu licença da escola por sete dias. Ele ainda não prestou depoimento.

VEJA:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.