Pai e madrasta são presos e indiciados por tortura de criança que perdeu mãe para Cøvid

Suspeitos estão presos depois de trocarem acusações sobre autoria do crime na delegacia, em Aparecida de Goiânia (GO)

Goiânia – A Polícia Civil de Goiás indiciou, pelo crime de tortura, a madrasta e o pai de uma menina de 4 anos suspeitos de espancarem a criança, deixando-a com vários ferimentos e o braço quebrado, em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana. Os dois estão presos.

A criança ficou 13 dias internada para passar por procedimentos cirúrgicos e foi vítima da violência após perder a mãe para a Cøvid. A madrasta e o pai dela estão presos desde 16 de setembro, na no mesmo em que ele próprio denunciou o caso à polícia. Na delegacia, ele atribuiu as agressões à madrasta, que, por sua vez, apontou o homem como autor da violência contra a criança

Avó materna

Após alta do Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia, na tarde da última quarta-feira (29), a criança foi levada para avó materna. Segundo o Conselho Tutelar, que acompanha o caso, a mãe da menina morreu há quatro meses.

De acordo com o Conselho Tutelar, foi protocolada uma medida protetiva em favor da criança no Juizado da Infância e Juventude para fornecer a guarda provisória para sua avó. A Justiça concedeu parecer favorável.

A saúde da criança está boa, e ela deve seguir com o tratamento no braço em casa e fará retorno médico na próxima semana.

“Batendo na menininha”

Além de testemunhas, a investigação considerou um áudio de ligação em que um vizinho teria dito à mãe, antes de ela morrer, que o casal estaria agredindo a filha.

“Outra moradora me ligou e falou que a [madrasta] estava batendo naquela menininha. Está batendo e ela dizendo que ‘minha mãe não fazia isso’. Pediu para não bater”, disse o vizinho em ligação para a mãe da menina.

Em outro trecho, o morador critica o pai da criança. “Não sei como é você com sua filha, te vi aquele dia, não te conheço, mas também não concordo com a maneira que acontece. Seu ex, o pai da criança, não é uma pessoa que me inspira confiança”, afirmou.

Guarda da criança

O viúvo da mãe da criança, que não quis se identificar, disse à imprensa que as ligações foram recebidas no final do mês de fevereiro, depois de o pai buscar a menina e nunca mais entregá-la à mãe. Desde então, ela lutava na Justiça para conseguir a guarda da filha.

O viúvo contou ainda que, após isso, a mãe da menina procurou várias vezes o Conselho Tutelar do setor Garavelo, mas que não conseguia resolver a situação. Segundo ele, os conselheiros ficavam “jogando ela de um lado para outro e não davam solução ao problema”. Atualmente, o caso é acompanhado pelo conselho tutelar da região da Vila Brasília.

O Metrópoles não obteve retorno do Conselho Tutelar da região do setor Garavelo para saber porque a unidade não teria acompanhado o caso. O portal também não localizou a dedesa da madrasta e do pai da menina para se manifestar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.