dentro

Padrasto diz que matou enteada porque ela poderia oferecer "risco"

Um homem matou a enteada, enquanto ela dormia, por esganadura, em João Pessoa (PB). A menina Júlia dos Anjos, de apenas 12 anos, estava desaparecida e a família desconfiou do padrasto, que confessou o crime.

Francisco Lopes assumiu o assassinato durante depoimento após os investigadores contestarem as divergências da história. O homem deu detalhes do assassinato e o local em que escondeu o corpo, em um reservatório de água da cidade. 

O padrasto também afirmou que cometeu o crime porque a garota poderia apresentar riscos à família, pois a mãe de Júlia estava grávida e a menina ficaria com ciúmes, “oferecendo risco” à mãe e o bebê, filho de Francisco. Segundo o delegado responsável pelo caso, o homem afirmou que a menina era contra a mãe ter um novo filho. VEJA:

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.