Mulher faz procedimento para corrigir desvio de septo e nariz dobra de tamanho.

Sem titulo 154

A ditatura da beleza é cruel demais com as mulheres. Todos os anos, vemos inúmeros procedimentos estéticos sendo usados por pessoas que não precisam de nenhum tipo de correção.

O culto à perfeição vem se tornando cada vez mais comum, fazendo com que julgamentos com aqueles que saem do padrão se tornem ainda mais brutais.

Quando algo no rosto sai dessa proporção considerada “bonita”, é o inferno para muitas, pois o medo de serem olhadas e zombadas é maior. Esse comportamento abusivo da sociedade reflete em autoestima baixa para as mulheres, que acabam se isolando por não estar nas medidas ideais para serem consideradas belas.

Indo contra alguns que ainda não sabem respeitar os outros, essas mulheres provam que o amor-próprio é suficiente para se sentirem bonitas, mesmo que não estejam no estereótipo de beleza ideal.

Laudiane Fernandes passou por um procedimento cirúrgico, mas seu nariz acabou ficando maior, e isso foi motivo para piadas e ofensas. Ela nasceu com hemangiomas, que são pequenos vasos sanguíneos que formam caroços na pele e lhe causaram graves hemorragias nasais. Era rotina entrar e sair do hospital.

Sem titulo 151 Sem titulo 152

De acordo com informações do Daily Mail, a brasileira contou que foi diagnosticada com o problema aos 16 anos e submetida a oito cirurgias para remodelar o nariz e corrigir um desvio de septo. Ou seja, suas intervenções cirúrgicas não tinham a ver com a estética e, sim, tratar um problema de saúde. Ela precisou fazer um enxerto de pele e revelou que constantemente é ridicularizada pelo tamanho do seu nariz.

Após o procedimento, a pele reparada infeccionou e precisou de nova cirurgia, dessa vez reconstrutiva. Ela contou que embora estivesse feliz por poder respirar melhor, a aparência e todas as cicatrizes a deixaram triste e deprimida.

Mas Laudiane não tinha outra alternativa a não ser ser forte e corajosa. Ela decidiu colocar em sua mente que os ataques e xingamentos que sofria – era chamada de “touro”, “Pinóquio”, “alienígena” e “Princesa Fiona” – mostravam o quanto essas pessoas eram infelizes consigo mesmas, pois eram incapazes de respeitar e aceitar suas diferenças.

Sem titulo 153

Hoje ela é influenciadora digital e trabalha no ramo da estética. Disse que aprendeu a ignorar comentários ruins sobre sua aparência, porque isso não a faz sentir vergonha de si, e completa dizendo que não se sente inferior a ninguém e sua condição a fortaleceu para a vida.

Isso não a impedirá de viver seus sonhos! Que exemplo de mulher inspiradora. Promover a autoaceitação e o amor-próprio é ajudar milhares de mulheres! Comente e compartilhe esta história com seus amigos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.