Mulher é espancada por guardas municipais no RJ após ser vista sem máscara

Com o olho roxo, a empresária e jornalista Luciana Lins publicou um vídeo em suas redes sociais narrando como foi espancada por cinco guardas municipais do Rio de Janeiro após ter sido vista sem máscara. O caso ocorreu na semana passada.

A mulher explicou que após descer do metrô no Largo da Carioca espirrou e sua máscara caiu. Ela conta ter recebido uma mensagem no celular e, ao apanhar o aparelho, o acessório se desprendeu completamente do rosto.

Foi então que os guardas apareceram e ela foi questionada. “Rapidamente eu coloquei a máscara”, relatou. Os agentes, no entanto, pediram documentos pessoais, mas ela se recusou a apresentá-los. “Eu disse que não iria dar [os documentos] porque não estava fazendo nada errado”, alegou Luciana.

Os agentes da prefeitura disseram então que a mulher seria presa e, diante da resistência dela, começaram as agressões. “Me pegaram pelos pés e me jogaram em uma van com cinco homens. Dentro da van eles começaram a me agredir verbalmente. Obviamente eu revidei às agressões até que um me deu uma gravata, o outro me encurralou e eu tentando fugir deles”. Ela conta ter sido chamada de “bolsonarista” por diversas vezes durante as agressões.

“O [guarda] que estava na porta me deu um soco no olho. E eu falei ‘você me deu um soco no olho?’ e ele respondeu ‘me prova que eu te dei um soco no olho’, porque na hora do soco não ficou roxo”, relatou Luciana. Os guardas tomaram o celular da empresária, que estava filmando as agressões.

Luciana conta que teve uma crise nervosa e que sua língua começou a enrolar. Ela caiu no chão e foi chutada. Por duas vezes a mulher cita o nome de “Vitor”, um dos guardas que teriam feito a maior parte das agressões.

Ela relata que ainda está com um lado do corpo paralisado após as agressões. A mulher então foi levada ao Hospital Souza Aguiar, onde disse ter tido apenas a pressão aferida e a médica chamou a Polícia Militar.

Como passou todo o trajeto gritando de dentro da viatura, algumas pessoas começaram a acompanhá-la até o hospital e chegaram a defendê-la das agressões.

Vídeo que mostra o momento em que Luciana saía do hospital circula na internet. Nele, é possível ver que um dos guardas ri ironicamente da mulher, que sai visivelmente abatida de dentro do hospital. Assista.

Mesmo com cidadãos tentando impedir, Luciana foi encaminhada à delegacia no mesmo carro da guarda municipal, onde segundo ela já tinha sido agredida e voltou a sofrer agressões.

“Socaram a minha cabeça, me deu um soco [sic], uma gravata, fora os socos na cabeça que eu ganhei”, contou. De acordo com Luciana, ao chegar à delegacia, o Boletim de Ocorrência já estava pronto.

“Eles como vítima e eu como réu [sic], sendo que na verdade eu fui agredida. E ainda disseram que eu quem fiz isso nos meus olhos”, disse a mulher ao apontar o ferimento.

Luciana Lins afirma ter ido ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito e que vai processar os agentes municipais.

No Twitter, ela postou fotos dos ferimentos e marcou deputados, além do presidente Jair Bolsonaro e a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.