Motoristas de Uber e 99 não querem CLT, diz presidente da frente de autônomos

motorista uber 99 1060x596 1

A Câmara dos Deputados ainda está muito distante de um consenso para aprovar projetos de lei que regularizem motoristas e entregadores de plataformas como Uber, 99, iFood e Rappi. Um dos principais pontos de definição é o vínculo empregatício. Mas, segundo o presidente da Frente de Apoio Nacional dos Motoristas Autônomos (Fanma), Paulo Xavier Júnior, 99% dos autônomos “não querem CLT”. A fala foi feita na terça-feira (16), durante audiência para debater o tema no Congresso.

O debate realizado ontem na Câmara dos Deputados reuniu deputados e presidentes de frentes organizadas, sindicatos e acadêmicos em torno do tema de regularização dos trabalhadores de aplicativos. No momento, existem 20 projetos de lei sobre o tema que circulam no Congresso.

Continua após a publicidade

O encontro foi proposto pelos deputados Afonso Motta (PDT-RS) e Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), que também é relator de um projeto de lei sobre regulamentação de autônomos de Uber, 99, iFood e Rappi.

“Uber e 99 diminuíram os ganhos”, diz presidente da Fanma

Para o presidente da Fanma, são poucos os autônomos interessados em ter um vínculo empregatício com as plataformas. O problema está na segurança: Júnior comenta que hoje, os apps são capazes de colocar o motorista em contato com passageiros que querem roubar seu carro.

“Hoje, nossa exposição é enorme. Muitas vezes, é a plataforma que coloca o passageiro dentro de nosso carro, e muitas vezes é alguém que quer assaltar, roubar, buscar o nosso sustento”, contou Júnior. Ele também criticou a forma de banimento dos motoristas de aplicativo:

“As plataformas têm uma forma unilateral de banir os motoristas de aplicativo. Se qualquer usuário relata uma situação dentro do veículo, mesmo que ele não tenha razão, e o motorista tenha total razão, ele que é banido. Sem justificativa, sem direito nenhum. Ele precisa entrar na Justiça contra a empresa, mas custa muito caro”

O presidente da frente de motoristas também mencionou durante a audiência pública que, nos últimos sete anos, desde a chegada dos aplicativos no Brasil, os motoristas tiveram que aumentar a jornada de trabalho de 6 horas para 12 horas. “Desde 2015, as plataformas não aumentaram nada, diminuíram nossos ganhos — antes, por uma corrida mínima, recebíamos R$ 7. Hoje, pela mesma corrida, em alguns lugares, recebemos R$ 4”, acrescentou ele.

Leia também

67% dos entregadores não querem vínculo, diz Amobitec

Leia Também

Nova proposta de reforma trabalhista quer proibir motoristas de app na CLT

Presidente de empresa americana demite 900 por Zoom

Petrobras vai reduzir preço dos combustíveis esta semana, diz Bolsonaro

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) mencionou que o Congresso precisa considerar o aumento de custo para as plataformas ao aprovar uma regulamentação para os serviços de aplicativo. O aumento das despesas pode resultar em remuneração menor aos autônomos, ou ainda em preços maiores em corridas e entregas. Kataguiri complementou:

“90% das decisões judiciais não reconhecem [os serviços por aplicativos] como vínculo empregatício por falta de subordinação e periodicidade.  A relação que existe hoje, com autonomia e flexibilidade, deveria ser até transferida para outras profissões.”

Flávio Prol, diretor-executivo da Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec), contou que as plataformas já brigam entre si por entregadores e serviços. Segundo Prol, 67% dos entregadores dizem que preferem trabalhar para as plataformas porque podem definir a própria jornada sem a supervisão de um chefe.

Procurador do Trabalho diz que há vínculo empregatício

Membros do Poder Judiciário estavam presentes na audiência da Câmara que debateu o vínculo empregatício para autônomos. Recentemente, o Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação contra Uber, 99 e Rappi, para que as empresas reconheçam o vínculo com os trabalhadores.

O representante da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Rodrigo Trindade, criticou a falta de negociação das plataformas com autônomos sob a justificativa de que elas são apenas intermediadoras o serviço.

Rodrigo Trindade, representante da Anamatra, fala à Câmara dos Deputados (Imagem: Billy Boss/ Agência Câmara)

Ele ressaltou que, independente do reconhecimento de vínculo, a nova lei que abrange Uber, 99, iFood e Rappi deve assegurar direitos mínimos aos trabalhadores.

Já Tadeu Cunha, procurador do Trabalho e coordenador da Coordenadoria Nacional de Combate às Fraudes nas Relações de Trabalho (Conafret), disse que o modelo de trabalho atual para motoristas e entregadores permite que eles sejam classificados como empregados com vínculo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.