dentro

Moça é elogiada por não ceder assento no ônibus à mulher grávida; entenda

Nesta segunda-feira (4), uma mulher anônima foi apoiada após postar em fórum famoso da internet que se recusou a ceder lugar no ônibus para uma grávida, por conta de uma deficiência pessoal. Informações são do portal Newsweek.

No Reddit, portal na internet onde caso foi relatado, a mulher anônima recebeu quase 9.000 votos positivos e 1.300 comentários, muitos de pessoas com deficiência que já enfrentaram situações similares em transportes públicos.

Na postagem, a mulher de 18 anos contou que sofreu um acidente há alguns meses quando um carro em alta velocidade a atingiu enquanto atravessava a rua. O joelho e perna direita da jovem sofreram a maior parte do impacto e deixou um osso quebrado, segundo ela relata.

Ela contou que, contanto que não ande por um bom tempo, sua perna está bem, mas ainda sofre com dores nos joelhos e utiliza uma bengala para se locomover. De acordo com a moça, nesta segunda-feira (4), ela entrou no ônibus e se sentou, mencionando a dor que sentia no joelho.

Momento em que tudo aconteceu

Uma mulher grávida entrou no ônibus posteriormente e procurou um assento vazio, mas não encontrou. “Eu era uma das pessoas mais jovens (provavelmente não a mais jovem) no ônibus e, portanto, ela decidiu que eu era o candidato perfeito para desistir do meu lugar”, dizia o post. “Então ela se aproximou e basicamente me disse que eu tinha que me levantar para que ela pudesse se sentar. Ela não me perguntou, ela me disse.”

A jovem contou que tentou explicar em voz baixa e sem querer chamar atenção, explicando ter uma lesão no joelho e que é difícil para ela manter o equilíbrio em pé no ônibus. Então, a mulher grávida teria começado a gritar com ela, dizendo que não acreditava em suas “desculpas”.

A jovem, então, levantou o vestido para mostrar à mulher as cicatrizes em seu joelho. “Admito que minhas cicatrizes não parecem exatamente bonitas ou estão bem curadas ou algo assim, mas não tinha interesse em continuar essa discussão”, dizia o post.

Ela disse que a mulher não respondeu e continuou “emburrada” antes de finalmente pedir a outra pessoa que cedesse seu assento. “Eu pensei que era isso, mas de repente uma pessoa sentada atrás de mim achou necessário pesar sobre a situação dizendo que eu estava fora da linha ao mostrar a ela minhas cicatrizes e que eu envergonhei a mulher e que eu poderia facilmente ter ficado de pé e apenas aguentar o resto da minha rota”, dizia o post.

Apoio na rede social

Cerca de 1.500 usuários comentaram o post da mulher, muitos a elogiando por se defender da situação. “Você estava legitimamente incapacitada e precisava de um assento”, comentou um usuário. “Se a pessoa por trás apoiava tanto a necessidade da mulher grávida de se sentar, deveria ter oferecido seu assento em vez de tentar intimidá-lo a fazê-lo”. “Além disso, ceder assentos para mulheres grávidas é uma cortesia voluntária, não algo que uma mulher grávida simplesmente exige de quem ela escolher”, acrescentou outro usuário.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.