Mattos: O Palmeiras não era a primeira opção de Mercado, hoje é

Executivo de futebol que conquistou títulos mas também ficou marcado pela quantidade de contratações em seus trabalhos em clubes como Cruzeiro, Palmeiras e Atlético-MG, além do América-MG, Alexandre Mattos explica em entrevista a Mauro Cezar Pereira, no programa Dividida, do UOL Esporte, a sua função, as estratégias utilizadas em negociações, se defende das críticas pela fama de gastar muito e ressalta a mudança do patamar palmeirense desde a sua passagem em relação ao mercado da bola.

LEIA TAMBÉM: Rony é liberado de punição da Fifa após êxito de recurso do Palmeiras ao CAS

Mattos explica que muitas vezes fez contratações pensando no futuro do clube, citando as críticas que recebeu pelos negócios de Zé Rafael e Raphael Veiga, que foram importantes na campanha na qual o Palmeiras conquistou a Libertadores e cita como legado o fato de hoje o Palmeiras ser a primeira opção de mercado para os jogadores, o que não ocorria quando chegou ao clube, ao final de 2014.

No Palmeiras, várias vezes eu citei em entrevistas e algumas vezes não fui compreendido, que as pessoas queriam o momento, não estavam preocupados com o futuro, quando eu vou e contrato o Zé Rafael e o Veiga, que hoje foram titulares do Palmeiras na Libertadores. Por que? Porque via o potencial e ao mesmo tempo eu sabia que se precisasse sair vender, recuperar o dinheiro, era uma coisa iminente, porque um tem passaporte europeu, o outro tem um perfil da Europa“, diz Mattos.

É o que você precisa fazer, mas você precisa ser a primeira opção, é isso o que o Palmeiras hoje é e não era, o Palmeiras hoje precisava ser e é a primeira opção de mercado, você precisa ter o leque na mão e baseado na questão técnica, autorizado pelo financeiro, autorizado pelo presidente, fazer acontecer“, completa.

Aposta em Weverton e proposta milionária por Richarlisson

O dirigente conta ainda que chegou a oferecer 12 milhões de euros ao Fluminense pela contratação do atacante Richarlisson, hoje no Everton, da Inglaterra, e justifica o pagamento feito pelo goleiro Weverton quando o clube poderia ter esperado para contratá-lo sem custos, outra reclamação feita por parte de torcedores na época.

Weverton veio para o Palmeiras e um dia depois eu apresentei para o Maurício Galiotte uma proposta de 1,5 milhão de euros do time do Marcelo Grohe. As pessoas não compreenderam por que pagou R$ 2 milhões. Pagou porque ele ia para o time do Marcelo Grohe, o Al Ittihad não queria o Marcelo Grohe, queria o Weverton, e isso, mesmo depois de ele vir para o Palmeiras, eu apresentei ‘Mauricio, você quer fazer dinheiro aqui? Está aqui 1,5 milhão de euros’. Então é assim, você tem que entender“, diz Mattos.

Eu lembro uma situação emblemática, eu cheguei a oferecer 12 milhões de euros para o Fluminense pelo Richarlisson, 12 milhões de euros, autorizado pelo presidente, autorizado pelos patrocinadores, e o Fluminense não quis vender para o Brasil. Mas por que aquilo? Porque eu já tinha um documento do Chelsea dizendo que esse jogador eles iriam comprar pelo dobro do preço, acabou que nem foi para o Chelsea, o Fluminense vendeu para outro, o Watford, se não em engano“, completa.

Mattos diz que jamais estourou orçamento dos clubes nos quais trabalhou para fazer as contratações e que no Palmeiras sempre contou com o respaldo dentro do clube para concretizar negociações. Ele ainda cita um gol evitado pelo zagueiro Emerson Santos, outro contratado em sua gestão e que rendeu reclamações por parte dos palmeirenses na época.

Muitas vezes você contrata, não há a necessidade, mas o clube tem o orçamento, o clube tem um planejamento financeiro, o clube é autorizado pelo presidente, é avaliado pela questão técnica, e você traz preparando ele para um, dois, três anos no futuro, e isso foi feito com o Veiga, isso foi feito com o Zé Rafael e tantos outros que a gente pode citar aqui, eu vi o Emerson Santos tirando a bola em cima da linha contra o River, se aquela bola entra, o River poderia passar. O Emerson Santos, que foi feito assim também e vai virar receita agora“, afirma.

O dirigente destaca o legado que deixou no Palmeiras com títulos, profissionais que foram contratados em sua gestão e a diferença do clube hoje em comparação ao momento de sua chegada.

O maior orgulho que eu tenho são os títulos, o resgate do Palmeiras, do orgulho do torcedor, mas de deixar um legado, que eu sabia que era absolutamente com potencial de manter a metodologia implementada desde 2015, de elenco, de base e de profissionais. Você tem lá o Cícero, que eu tenho orgulho de ter levado para o Palmeiras, você tem o João Paulo, que eu tenho orgulho de ter levado para o Palmeiras, você tem a área de saúde do Palmeiras, que estava com uma dificuldade enorme, (…) era importante que acontecesse isso e estou muito feliz mesmo com tudo o que vem acontecendo“, conclui.

Mattos também fala sobre as contratações que deram errado, a importância da contratação de Dudu para o Palmeiras e o fracasso em outra negociação que levou a uma mudança na postura no mercado, a contratação de Mano Menezes no clube em 2019, além da montagem do Cruzeiro campeão brasileiro em 2013 e 2014, a passagem pelo Atlético-MG, o trabalho com Jorge Sampaoli e os motivos de sua saída.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.