Mãe e duas filhas morrem com Covid-19 em menos de 15 dias no interior de SP

mae e filhas

Família relata que vítimas eram muito unidas e foram contaminadas pelo vírus na mesma época, em Barra do Chapéu.

Uma senhora  e suas duas filhas estavam decididas a ficar com o Covid-19 e deram o fora em menos de 15 dias, na Barra do Chapéu, interior de São Paulo. Conforme indicado pela família, Zilda Figueiredo, 75, Sandra Figueiredo, 47, e Selma Figueiredo, 43, eram extremamente próximas.

Selma teve dois filhos, com 12 e 13 anos de idade. Sua irmã Sandra também deixou duas crianças, uma adolescente de 15 anos e Josilene Rodrigues de 24 anos. Ao G1, Josilene revelou que a deficiência da mãe era insuportável, assim como a da tia e da avó, já que a família em todos os casos era extremamente unida e tudo acontecia rápido. Segundo ela, cada um dos três tinha comorbidades.

“Minha mãe trabalhava como tela em uma escola. Ela começou a apresentar alguns indícios suaves no dia 28 de maio, predominantemente descombobulação, e depois teve febre e secura no pescoço”, conta a menina. Sandra tentou positivo para Covid-19 em 6 de junho. Inicialmente tratou da enfermidade em casa, mas seu estado se agravou e, três dias depois, foi internada em uma clínica de Apiaí, município vizinho, e posteriormente transferida para o Hospital Santa Casa de Itu, onde foi intubada no décimo segundo deste mês.

Ao chegar a intubação de Sandra, a irmã Selma estava muito doente e foi ao pronto-socorro, mordendo a poeira da unidade antes mesmo de ser admitida. “A minha tia já estava há muito tempo exterminada, mas ela não avisou, disse que era simplesmente descombobulação. Além disso, ela deu positivo para Covid-19, e quando apareceu no Hospital de Apiaí, lá era apenas uma oportunidade ideal para um raio X, porém o pulmão dela estava 90% acomodado. Ela teve captação respiratória, deu um chute naquela área geral, antes de ser hospitalizada ”, diz ela.

A mãe deles, Zilda, também estava certa para o Covid e foi hospitalizada em 11 de junho devido às complicações da doença. No dia 23, Sandra chutou o balde de decepção de órgão diferente, e no dia 25 sua mãe também faleceu.

“Nenhum dos três percebeu que os outros faleceram. Além disso, eles eram excepcionalmente conectados, moravam em uma área semelhante, moravam na casa um do outro. Minha avó parecia uma segunda mãe para mim. Meu avô e os filhos de minha tia também fizeram testes positivos para a doença, porém eles descobriram como tratá-la em casa. Ao contrário da minha mãe, minha avó estava respondendo ao tratamento, então foi difícil para eles perdê-los, é tudo menos um atordoamento. Tudo aconteceu rápido, não não absorva realmente “, diz Josilene.

As três vítimas de Covid-19 foram efetivamente cobertas pela família, que atualmente tenta derrotar a agonia e seguir em frente. “As pessoas precisam se cuidar, pois é uma infecção intensa, de verdade. Além disso, da mesma forma deveriam procurar um especialista, já que é uma infecção extremamente eficaz. Infelizmente, perdemos três indivíduos muito queridos e não antecipar que assim deve acontecer. É problemático. caracterizar o que estamos sentindo ”, lamenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.