Mãe de Ayrton Senna Tentou Comprar o Silêncio de Adriane Galisteu

senna neyde galisteu

Família de Ayrton Senna tentou comprar as lembranças e o silêncio de Adriane Galisteu

Por Nirlando BeirãoRevista Playboy, dezembro de 1994

Foto 1 Revista Playboy Dezembro de 1994 1Conta conjunta bloqueada. O féretro mal tinha passado

Passado, para ela, é também a família Senna da Silva. Ela teve de engolir, sozinha, lentamente, a surpresa pelo tratamento que recebeu no próprio velório em São Paulo, ao pé do caixão do namorado, num flagrante desrespeito à ocasião e ao morto. Na sua perplexidade, Adriane Galisteu, que se considerava parte da família, guardou o ressentimento na geladeira. “Eu estava catatônica”, justifica. “Só depois as cartas que recebi (de fãs e admiradores do Ayrton e seus) e o que li na imprensa me despertaram de meu torpor.” Poderia ter requentado o seu eventual ressentimento e despejado no seu livro. Preferiu elegantemente jogar fora o prato envenenado. Mas as confidências de amigos que sabiam o que ela significava para o campeão, viam como ela era tratada na casa dele e depois assistiram ao triste espetáculo do enterro mostram como o mundo pode dar uma reviravolta, por nada.

É estranho que irmãos dilacerados pela morte súbita de alguém tenham tempo e ânimo para fazer uma ligação internacional para se certificar se a namorada já foi devidamente despachada da casa de veraneiro no Algarve – isso na mesma noite da tragédia. Felizmente para Adriane Galisteu, ela tinha tomado a decisão de partir por conta própria. Certa vez, ela deixou escapar, ela própria, que a família bloqueou sua conta bancária no Brasil – aquela em que o namorado depositava o dinheiro de bolso para as despesas do dia-a-dia dela depois que, por insistência dele, o namorado famoso, Adriane abandonou de vez a profissão de modelo.

Da herança, ela não ficou nem com o troco, embora se saiba que a mãe do ídolo, dona Neyde – até aquele dia, para Adriane, ela era a “Záza” –, tocou no assunto dinheiro na conversa de 45 minutos que ela diligentemente quis ter com a ex-futura nora, no dia seguinte do enterro. Abalou-se em viajar uma hora de carro até a fazenda de Almeida Braga, em Campinas, onde Adriane Galisteu buscara o colo de seus protetores, para tentar comprar dela, por um humilhante pacotinho de dólares que não pagam uma passagem aérea, todas as suas lembranças do passado. Que ela esquecesse tudo, inclusive que ele a tinha amado. Em outras palavras: se quisesse, Adriane Galisteu poderia ter escrito um livro de escândalos. Acabou escrevendo uma love story.

*Diligentemente: prontamente, rápido, ligeiro. 

No livro, há numerosas referências a confidências ao pé do fogão, viagens com a família, noites dormidas com o namorado na casa da mãe e do pai dele – às vezes, na casa dos pais dele, mas sem ele. Um psicanalista talvez deduzisse que, até então, a família apenas tolerasse a namorada como um capricho passageiro do filho e irmão. Deviam estar imaginando coisa melhor para ele – a futura mãe dos filhos, de preferência uma mocinha insossa e cordata. Esqueceram-se de combinar com o principal interessado. Pouco antes de morrer, ele pagou para Adriane Galisteu um curso de imersão total de inglês no Berlitz de São Paulo. Convidou-a para acompanhá-lo em toda a temporada européia – aquela que começou exatamente no dia que, para ele, terminou, em Ímola, no Grande Prêmio de San Marino. Seriam cinco meses de convivência cotidiana, na casa do Algarve. Os dois, a sós, com os caseiros. Se isso não se chama casamento, é difícil arranjar outro nome.

*Insossa é sinônimo de: insulsa, insípida, monótona, tediosa, desinteressante.

*Significado de cordata: Que está em concordância com; que não se opõe a; que se encontra sempre de acordo.

FONTE PESQUISADA

BEIRÃO, Nirlando. – Eu Adriane Galisteu, 21 anos, solteira… Playboy, São Paulo, p. 82 – 86, dezembro 1994.

Revista Playboy Dezembro 1994 p86

Revista Playboy Dezembro 1994 p86 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.