José Dirceu diz que não dá para esperar até 2022; é preciso ‘impedir’ que Bolsonaro continue no governo ainda este ano

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu após assinar na Vara de Execuções Penais do Distrito Federal o termo que autoriza a cumprir prisão no regime aberto (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Em artigo veiculado nesta terça-feira (5), no site Poder360, José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil do governo Lula e cofundador do Partido dos Trabalhadores (PT), defendeu a remoção de Jair Bolsonaro do poder ainda em 2021.

“Não podemos esperar por 2022 para derrotar este desgoverno. Nossa tarefa principal, em 2021, é remover Bolsonaro do cargo de presidente, de forma legal e constitucional, e mobilizar o país para a vacinação e para um plano de emergência que evite uma catástrofe social já às nossas portas com o aumento do desemprego, da pobreza, da inflação e fim do auxilio emergencial”

Segundo ele, é preciso ‘impedir’ a ‘marcha acelerada’ do governo.

“Não há mais dúvidas. Bolsonaro e seu bando não podem e não devem continuar governando o Brasil. É preciso impedir a marcha acelerada do governo em direção ao suicídio nacional”, disse em análise no site Poder 360.

De acordo com Dirceu, é preciso “barrar todas suas iniciativas no Parlamento e recorrer ao Judiciário para obrigá-lo a vacinar a população e respeitar a Constituição, impedir que continue aparelhando as instituições e que venha a controlar a mesa das duas casas legislativas”.

E acrescentou:

“É necessário unir todos os democratas, progressistas, nacionalistas na luta contra Bolsonaro e constituir, desde já, uma Frente Popular de esquerda para organizar a resistência popular, lutar pela vacinação pública e gratuita, pelo auxílio emergencial, por um plano de investimentos para criar empregos e renda e para disputar as eleições presidenciais em 2022”.

Histórico de prisões

Braço forte de Lula e do PT, Dirceu tem um longo histórico de prisões.

A primeira, ocorreu em novembro de 2013, depois de ter sido condenado por corrupção ativa pelo Supremo Tribunal Federal no caso conhecido como mensalão.

Em outubro de 2014, o mesmo STF concedeu habeas corpus para que ele cumprisse o restante da pena em casa.

Em agosto do ano seguinte, foi parar na prisão mais uma vez, acusado pela 17ª fase da Operação Lava Jato de receber propina por meio de sua empresa, JD Consultoria e Assessoria Ltda.

Em maio de 2017, porém, o Supremo concedeu liberdade ao ex-ministro e ele voltou para a casa usando tornozeleira eletrônica.

Em maio de 2018, porém, ele foi para na prisão novamente, após ser condenado a quase 31 anos de prisão em segunda instância, pela corrupção envolvendo a JD Consultoria. Permaneceu aproximadamente um mês em reclusão, mas obteve liberdade depois de um habeas corpus concedido pelo STF para que a prisão não se desse antes do esgotamento da análise de recursos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Loading…

0