dentro

Homem perde parte do pënis e do escroto após ser mordido por cobra no banheiro

Na África do Sul, um turista holandês, de 47 anos, teve as suas férias frustradas de uma das piores maneiras possíveis. Isso porque, enquanto usava o banheiro, o homem foi mordido por uma cobra — mais especificamente, por uma Naja annulifera — na região do escroto e no pënis. Sem assistência médica adequada, a região necrosou, ou seja, parte do tecido “morreu”.

O relato de caso do holandês que, posteriormente, reconstruiu a parte genital necrosada com enxertos — as cirurgias deste tipo são conhecidas pelo nome de faloplastias — foi publicado na revista científica Urology Case Reports. Segundo os médicos holandeses do Hospital Rijnstate, este foi o primeiro caso de envenenamento dos órgãos genitais por uma Naja annulifera já descrito na literatura médica.

O holandês estava hospedado em um hotel, dentro reserva natural sul-africana. Quando foi se sentar no vaso sanitário, a naja já estava lá e mordeu os genitais do turista. Inclusive, os autores holandeses do relato reforçam a importância de verificar se há algo dentro do vaso, especialmente em locais onde a incidência de cobras pode ser alta.

Como a reserva era bastante longe de qualquer hospital, o homem precisou aguardar por algumas horas até receber algum tratamento. “Ele esperou 3 horas pelo transporte de helicóptero até o centro de traumas mais próximo (350 km)”, contam os médicos do Hospital Rijnstate.

No meio-tempo, foi possível identificar a espécie exata da naja. Enquanto isso, o paciente também relatava dores desde a virilha até a parte superior do tórax, além de uma sensação de queimação nos próprios órgãos genitais e febre.

Quando chegou ao atendimento, “pënis e escroto estavam inchados, de cor roxa escura e doloridos”. Além disso, a “necrose escrotal foi diagnosticada e ele recebeu múltiplas doses de um antídoto inespecífico de veneno de cobra e antibióticos de amplo espectro”, relataram.

O paciente precisou ser transferido para uma ala de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Embora nenhuma sequela neurológica tenha se desenvolvido, ele precisou de hemodiálise devido a uma lesão renal aguda”, detalham. No hospital local, foi possível estabilizar a necrose dos órgãos genitais.

“Depois de se estabilizar, ele foi repatriado para a Holanda para tratamento adicional e desde então se recuperou totalmente”, contam os médicos. A nova junta médica conseguiu remover mais do tecido morto e realizou um enxerto bem-sucedido no pënis e escroto do paciente, substituindo o tecido morto por um tecido retirado de sua virilha. “No acompanhamento de 1 ano, as feridas haviam cicatrizado bem e a função e a sensação peniana estavam totalmente recuperadas”, complementam os médicos.

Para acessar o estudo completo do paciente que sofreu necrose escrotal — e caso queira ver as imagens da reconstrução da área afetada —, clique aqui. A seguir, um vídeo mostra a Naja annulifera, em detalhes, enquanto se alimenta de um roedor.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.