Governo Bolsonaro perdeu “alma e ideal”, diz ex-ministro Ernesto Araújo

Ernesto Araujo Itamaraty Mercosul 25 scaled 1 1 868x644 1 868x644 1
Ministro das Relações Exteriores Ernesto Araujo durante coletiva sobre o acordo Mercosul-União Europeia. Brasilia, 02-07-2019. Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O ex-ministro Ernesto Araújo entregou o cargo de ministro das Relações Exteriores em 29.mar.2021Sérgio Lima/Poder360 – 2.jul.2019

O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo escreveu em sua página oficial no Twitter neste sábado (1º.mai.2021) que o governo do presidente Jair Bolsonaro “foi-se transformado uma administração tecnocrática sem alma nem ideal“.

Há 1 mês fora do posto, Ernesto afirmou que o projeto bolsonarista de “grande nação minguou no projeto de construir uma base parlamentar”. Eis a sequência de publicações do ex-chanceler:

Quase duas horas depois de publicar os 5 tweets, Ernesto completou que sempre acreditou, esteve e estará com Bolsonaro.

SAÍDA DE ERNESTO

Ernesto Araújo pediu demissão do Ministério das Relações Exteriores em 29 de março. O chanceler enfrentava forte pressão para deixar o cargo.

A decisão foi avisada por Araújo aos secretários do ministério por mensagem no WhatsApp. Não houve, até o momento, um anúncio oficial.

A reportagem apurou que o presidente Jair Bolsonaro conversou com Araújo e sugeriu ao diplomata que pedisse para sair, como é praxe nesses casos. A saída, no entanto, aconteceu mais rapidamente do que se esperava.

O chanceler criticou a senadora Kátia Abreu (PP-TO), foi chamado de “marginal” pela congressista e contestado por vários outros senadores e deputados. Em publicações nas redes sociais, Olavo de Carvalho, Fabio Wajngarten, Abraham Weintraub e Eduardo Bolsonaro apoiaram o titular do Itamaraty no conflito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.