Gasolina e diesel ficam mais caros a partir de hoje nas refinarias

gasolina aumento 25102021194314686

O novo aumento para a gasolina, 17 dias após a última alta, e para o diesel, depois do reajuste em 28 de setembro, começa a vigorar nesta terça-feira (26), nas refirnarias. Segundo a Petrobras, a gasolina vai subir R$ 0,21 por litro e o diesel, R$ 0,28. 

O reajuste de 7,05% e 9,15%, respectivamente, leva em conta a prática de preços competitivos adotada há cinco anos pela estatal. O que deve resultar em uma elevação de, em média, R$ 0,15 no preço do litro da gasolina e de R$ 0,24 do diesel cobrado aos motoristas nos postos. O aumento nas bombas não é imediato, costuma demorar um pouco.

Com esse reajuste, o aumento da gasolina nas refinarias já acumula uma alta de 74% e o do diesel, de 65%, neste ano.

LEIA TAMBÉM

O preço médio de venda da gasolina A da Petrobras às distribuidoras passará de R$ 2,98 para R$ 3,19 por litro. Já para o diesel A, o preço médio de venda da Petrobras às distribuidoras subirá de R$ 3,06 para R$ 3,34 por litro.

“Esses ajustes são importantes para garantir que o mercado siga sendo suprido em bases econômicas e sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras: distribuidores, importadores e outros produtores, além da Petrobras”, afirma a Petrobras em nota.

Segundo a empresa, o alinhamento de preços aos praticados no mercado internacional se mostra especialmente relevante no momento em que há demanda atípica para o mês de novembro de 2021. A Petrobras informou na semana passada que recebeu pedidos de distribuidores de diesel muito acima dos verificados nos meses anteriores e de sua capacidade de produção para novembro.

De acordo com o presidente da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis), Sérgio Araújo, apesar do aumento, ainda existe uma defasagem grande em relação aos preços do mercado internacional.

Preocupação do governo

O preço dos combustíveis, que vem subindo desde o ano passado, é uma preocupação cada vez maior dentro do governo. No domingo, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou que não vai interferir na política de preços da Petrobras. Ele disse que é preciso pensar no que fazer com a estatal no futuro, pois a legislação deixa a companhia independente e cabe a ele apenas indicar o presidente dela.

Para tentar diminuir a pressão, principalmente dos caminhoneiros, parte de sua base de apoio, Bolsonaro voltou a falar no domingo também sobre o auxílio que o governo dará aos caminhoneiros para amenizar o custo do óleo diesel, de R$ 400. Mas lideranças de caminhoneiros, porém, já disseram precisar de uma solução estrutural para o problema, e não de um auxílio temporário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.