dentro

Fiquei com medo de morrer, diz Flameguista sobre a torcida do Palmeiras

Após ser agredido nas arquibancadas do Allianz Parque, em São Paulo, durante Palmeiras x Flamengo, no último domingo, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, o acreano e acadêmico de direito Matheus Menezes, 25 anos, contou detalhes dos momentos de terror que passou dentro do estádio.

Matheus Menezes diz que entrou no setor destinado à torcida do Palmeiras por engano e que a intenção não foi ofender os palmeirenses. O episódio aconteceu por volta dos 15 minutos do primeiro tempo, quando as equipes ainda empatavam sem gols.

– Entrei por engano na torcida do Palmeiras juntamente com meu irmão e um amigo. Foi minha primeira vez em um estádio, na verdade decidimos ir ao estádio na noite anterior, já que estava em São Paulo na casa do meu irmão. Em nenhum momento premeditei entrar lá para zombar deles, querer dar uma de engraçadinho ou coisa assim. Não sabíamos que o ingresso nos levaria para a torcida organizada. Era tudo novo para mim – afirmou, em entrevista ao ge.

Matheus Menezes diz que não conseguiu se explicar para os torcedores no momento da confusão e que temeu pela própria vida. Ele conta que estava com uma camisa na cor cinza escura com a sigla CRF (Clube de Regatas Flamengo), mas não estava visível pelo lado de fora.

– Estávamos de moletom preto. Eles já começaram a enquadrar a gente, sem deixar a gente se explicar. Eu só queria sair dali quando vi aquela confusão. Fiquei com medo de morrer, mas graças a Deus estamos bem. Deus nos livrou. Só queríamos assistir ao jogo sem confusão com ninguém – destaca.

– Era uma camisa cor cinza bem escuro com sigla CRF, não estava nada à mostra. Meu irmão conseguiu me arrastar de lá e fomos direto para casa. Só queríamos sair de lá com vida.

Matheus Menezes deixou o estádio logo após a confusão e nem acompanhou presencialmente o restante do jogo, que acabou empatado por 1 a 1.

O Palmeiras divulgou uma nota repudiando as agressões e também a “atitude temerária” do torcedor flamenguista. Os agressores foram identificados pela Polícia Civil.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.