Fábio Faria diz que Carlos “foi o maior responsável” por eleição de Bolsonaro

FabioFaria 868x644 2
Cerimônia de posse do ministro das Comunicações, Fábio Farias, no Palácio do Planalto com a presença de ministros e convidados, entre eles Paulo Guedes, Luis Eduardo Ramos, Braga Neto, Augusto Heleno, Dia Toffoli (STF), João Noronha (STJ) Sérgio Lima/Poder360 17.06.2020

Diretor

Fernando

Rodrigues

Você está em: Governo

PUBLICIDADE

Fábio Faria diz que Carlos “foi o maior responsável” por eleição de Bolsonaro

Fez crítica à imprensa

Diz que o citam em tudo

Fábio Faria (Comunicações) durante cerimônia no Palácio do Planalto, em BrasíliaSérgio Lima/Poder360 – 17.jun.2020

PODER360

06.maio.2021 (quinta-feira) – 18h40

O ministro Fábio Faria (Comunicações) fez críticas nesta 5ª feira (6.mai.2021) à imprensa e saiu em defesa do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Para o ministro, Carlos Bolsonaro “foi o maior responsável pela vitória” do presidente Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018. Segundo ele, esse seria o motivo de a imprensa colocar o nome do vereador “em tudo”.

“A imprensa tem tara em colocar o nome Carlos Bolsonaro em tudo. Só tem uma explicação: sabem que ele foi o maior responsável pela vitória do presidente, de quem não gostam; e que ele se conecta diariamente e mobiliza as pessoas nas redes sociais, vide as manifestações estrondosas de sábado”, disse no Twitter.

Sobre as “manifestações estrondosas”, o ministro referiu-se aos protestos realizados no último sábado (1º.mai.2021) por apoiadores do presidente em vários Estados do país. No ato em Brasília, Bolsonaro sobrevoou a Esplanada dos Ministérios em gesto de apoio aos manifestantes.

CARLOS “MARQUETEIRO”

Na 4ª feira (5.mai.2021), Bolsonaro disse que Carlos foi um de seus marqueteiros nas eleições presidenciais. A declaração foi feita em evento de abertura da Semana das Comunicações, no Palácio do Planalto.

“Na minha eleição, meu marqueteiro não ganhou milhões de dólares fora do Brasil. Ele é um simples vereador, o Carlos Bolsonaro. Há ainda o Tércio Arnaud [Thomaz] e o [José] Mateus Sales”, disse.

Na ocasião, Bolsonaro falou também sobre as críticas ao chamado “gabinete do ódio”, grupo acusado de montar uma “milícia digital” para atacar opositores políticos do governo.

“São pessoas perseguidas o tempo todo, como se estivessem inventado um ‘gabinete do ódio’. Não há do que nos acusar. É um gabinete da liberdade, da seriedade”, declarou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.