Em vídeo, Assassino que matou mãe e filha detalha o crime; “Tirei a roupa porque queria estuprar”

Imagem Blog Itambe Agora 2. 12

A Polícia Civil confirmou a prisão do pedreiro Marco Aurélio da Silva, de 36 anos, acusado de ter matado Alcione Malheiros Teixeira Ribeiro, de 42 anos, e sua filha, Ana Júlia Teixeira Fernandes, de 16 anos. O crime bárbaro aconteceu na tarde deste domingo (12), na BR-030, ao lado da ponte sobre o rio Carnaíba de Dentro na saída de Guanambi para Palmas de Monte Alto.

De acordo com a Polícia Civil, a prisão de Marco Aurélio ocorreu nas imediações no bairro Ipanema, em Guanambi, por volta de meio dia desta segunda-feira (13), em operação conjunta com a Polícia Militar.

A Polícia informou que as vítimas caminhavam da zona urbana em direção à zona rural, local que possuem um sítio, quando foram atacadas e mortas pelo indivíduo que ocupava uma motocicleta. O veículo ficou abandonado no local e o criminoso fugiu a pé, pelo mato. As vítimas foram encontradas com parte das roupas rasgadas.

Foram realizados procedimento padrões de registro de ocorrências, realização de perícias e outras ações. No curso das investigações, a PC chegou-se até o indivíduo que se encontrava sob efeito de droga e confessou ter praticado o duplo homicídio.

Ele foi preso e autuado em flagrante. As mortes teriam sido motivadas, segundo o autor, pelo receio de que as vítimas da tentativa de estupro os o denunciassem.

Marco Aurélio foi conduzido juntamente com seu filho, menor de 16 anos, até a delegacia de polícia, e chegando na unidade policial, ele negou a autoria, porém com as evidências de marcas de arranhões provenientes de fuga pelo matagal, e em decorrência das inconsistências na sua defesa, resolveu confessar, contando detalhes que serão objetos de investigação por parte da Polícia Civil.

Questionado o porquê de ter despido a mulher e a menina, Marco Aurélio da Silva, de 36 anos, chegou a afirmar que sua intenção era de estuprar as mulheres e não de matar. “Tirei a roupa porque queria estuprar”. No entanto, ele afirma que não consumou o ato porque “a vontade passou”.

Alguns questionamentos foram levantados. Os interrogadores perguntaram quem ele matou primeiro, ao qual ele respondeu que não se lembrava. Ele também afirmou que mandou as suas vítimas se deitarem. Outra informação que o suspeito afirmou foi que ele jogou o tijolo utilizado no crime em um lago

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.