Corpo de menina de 15 anos é encontrado comido por peixes em rio

adolescente 00319844 0 2021083012132

A garota não sabia nadar e pulou no rio ao fazer uma “brincadeira” com amigos durante bebedeira

 Após mais de 24 horas de buscas no rio Amazonas, o corpo de Manuela Barros da Silva, de apenas 15 anos, foi encontrado na manhã desta segunda-feira (30). A menina havia desaparecido depois de pular de um flutuante, no domingo (29). Ela estava com amigos, ingerindo bebidas alcoólicas quando, em uma brincadeira, pulou no rio e não voltou mais para superfície.

O corpo da vítima foi encontrado por um mergulhador local. A mãe da menina informou à imprensa local que o corpo de Manuela foi devorado por peixes, deixando os ossos da menina expostos. Bem abalada, a mulher lamentou o estado em que ela estava.

“O peixe comeu a minha filha durante a noite e foi achado por um mergulhador voluntário, que foi um homem bom que ajudou a gente. Ela está toda comida pelo peixe. Mesmo ela nesse estado, eu agradeço a Deus, porque vou conseguir enterrar a minha filha”.

Relembre o caso

Manuela e amigos estavam reunidos em um flutuante de Itacoatiara bebendo e decidiram fazer uma brincadeira: tentar passar por debaixo do flutuante para sair do outro lado. A jovem, que não sabia nadar, aceitou a brincadeira. No entanto, não retornou à superfície, desesperando os amigos.  

Os pais da menina estiveram no local e se desesperaram com a notícia de que a filha estava desaparecida. A mulher ainda lembrou que dava muitos conselhos para que a filha ficasse mais em casa e ela não ouvia.Desesperada, a mulher ainda questionou os amigos e perguntou o porquê deles não terem impedido que a adolescente pulasse.

“Eu dava muito conselho para minha menina. Eu dizia minha filha sai da rua e eu ouvia ‘mãe, eu quero me divertir’. Por que tu se jogou, minha filha? Tu não sabia nadar. Vocês sabiam que ela não sabia nadar, por que vocês deixaram ela pular? Eu só tenho ela. Porque não levaram ela pra casa? Ela era de menor.O corpo de Manuela deverá ser velado em uma funerária de Itacoatiara.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.