Câmara libera entrada de ‘pets’ e deputado leva cachorro para o plenário

Sem titulo 349

Beethoven tem seis anos e “discursou” no plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal na quarta-feira, 8, pela primeira vez. A entrada do cachorro foi liberada um dia depois de os parlamentares aprovarem um projeto de resolução autorizando que animais de estimação de pequeno porte – até 12 quilos – frequentem a Casa.

O autor da proposta é o deputado Daniel Donizet (PL), que resgatou o animal em um canil clandestino em 2015. “O Beethoven foi no plenário e fez um discurso”, disse o parlamentar ao Estadão, rindo. “Eu falei em nome dos animais, em nome daqueles que não podem falar. O Beethoven falou que ele fica muito triste quando ele vê esses casos de maus tratos, de envenenamento, de espancamento, animais abandonados. Fez um apelo para que, nesse fim de ano, (as pessoas) não soltem fogos barulhentos.”

Donizet afirmou que o projeto seguiu uma “tendência mundial” e o objetivo foi sensibilizar outros órgãos públicos e empresas privadas a também liberarem a entrada dos “pets”. “Ter um animal doméstico no ambiente de trabalho reduz o estresse, aumenta a produtividade do tutor, além de lógico alegrar o ambiente”, afirmou.

Segundo o parlamentar, a ideia é também chamar a atenção para os direitos dos animais. Donizet citou a dificuldade em cumprir leis direcionadas aos bichos: “Está chegando a época do final do ano e a gente tem um problema sério com relação aos fogos de artifício. Aqui em Brasília tem uma lei que proíbe, mas mesmo assim as pessoas insistem em soltar fogos. Isso prejudica muito os animais”.

A proposta proíbe o acesso de animais ferozes ou perigosos, peçonhentos ou com problemas de saúde que possam causar “desconforto” ou que comprometam a segurança das instalações ou das pessoas. As restrições podem ser dispensadas para cães de serviço ou animais de suporte emocional.

O texto afirma que qualquer visitante ou funcionário pode entrar com seu animal de estimação de pequeno porte nas dependências da Câmara. Não é preciso cadastrar o bicho na entrada. “A gente está criando um centro de convivência dos pets. Vamos fazer a instalação de comedouros, bebedouros e colocar uma área para fazer as necessidades”, relatou Donizet.

Na Câmara dos Deputados não há uma regra específica, mas a deputada Joice Hasselmann (PLS-SP) costumava levar seu gato de estimação, James, para o gabinete quando era líder do governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.