dentro

Cabelos: ficar grisalho não é único efeito de envelhecer; fios também ficam frágeis

Quando começa o processo de envelhecimento, uma das preocupações é sobre como ficará o cabelo com o passar dos anos. A maioria das pessoas espera apenas que fiquem grisalhos, naturalmente prateados, mas as mudanças não se resumem à cor. Especialistas ressaltam que eles ficam menos densos, mais rebeldes, quebradiços e existe uma dificuldade maior em fazê-los crescer, conforme reportagem publicada no jornal New York Times.

— Cabelos espessos e brilhantes são a marca registrada da juventude. Porém, como tudo que muda com a idade, seu cabelo também sofre as consequências — explica Erika Schwartz, especialista em medicina integrativa que fundou a Evolved Science, uma clínica de longevidade em Nova York, nos Estados Unidos, que oferece uma variedade de tratamentos para lidar com cabelos finos e sem brilho.

Enquanto muitos médicos têm observado queda de cabelo entre pacientes que tiveram Cøvid-19 ou que sofrem com estresse, a perda de fios e as mudanças de textura relacionadas ao envelhecimento exigem uma abordagem diferente para que o problema seja tratado efetivamente.

— Tirando os transplantes capilares, você não pode fazer um tratamento por um tempo e simplesmente parar. Você precisa continuar se quiser manter resultados — ressalta Gary Linkov, cirurgião plástico facial e de restauração capilar americano.

A dermatologista Marnie Nussbaum explica que, com o envelhecimento, há uma perda de melanina, razão pela qual o cabelo fica grisalho ou branco. Muitas vezes, é a genética que determina quando isso vai acontecer, assim como o quanto a linha do cabelo recua ou, como é mais comum em homens, quando ocorre a calvície. Ainda assim, para quase todos, o ciclo de crescimento diminui.

Ao mesmo tempo, os mudanças no folículo fazem com que cada fio de cabelo emerja do couro cabeludo com um diâmetro mais fino, um processo chamado de “miniaturização”.

— O resultado geral são cabelos mais ralos e finos — afirma Nussbaum.

Mas isso não é tudo. De acordo com Schwartz, mudanças hormonais, especificamente nas mulheres, que causam menor produção de estrogênio e progesterona, também diminuem a produção de sebo, o emoliente natural que reveste o cabelo e o faz parecer brilhante. E como o cabelo não está protegido e hidratado, é mais propenso a quebra e danos causados pelo calor ou pelas tintas para os cabelos brancos.

— Digo às pacientes que elas não estão imaginando, o cabelo realmente passa menos tempo na fase de crescimento à medida que envelhecemos. Menos tempo crescendo ou mais tempo descansando significa que o fio provavelmente cairá antes de atingir o comprimento desejado — esclarece Dendy Engelman, dermatologista de Nova Yorkrque.

Cientista e pesquisadora de uma empresa que cria cosméticos, Jeni Thomas faz uma comparação:

— Pense no couro cabeludo como terra seca, quando está desidratado, os cabelos ficam menos enraizados. Você não pode controlar sua idade e não pode controlar seu DNA, mas pode controlar o componente de estresse oxidativo do couro cabeludo da perda de cabelo..

Dicas de especialistas

A engenheira Debra Lin, chefe de inovação de uma linha capilar, lembra que o produto que era usado até determinada idade pode não funcionar sempre.

— Muitas mulheres descobriram o que funcionava para elas aos 30 anos, mas depois são atingidas por mudanças aos 40 anos e precisam descobrir novamente — afirma ela.

Para baixar os fios e diminuir a quebra sem deixar o cabelo com aspecto oleoso e sem movimento, a especialista indica condicionadores formulados com manteigas vegetais ricas em ácidos graxos como manga e macadâmia e óleos feitos de sementes de girassol e camélias.

Entrevistado pelo New York Times, John Barrett, um cabeleireiro que cuida dos cortes de personalidades americanas como Martha Stewart e Hillary Clinton em seu salão, aconselha as clientes a lavar o cabelo não mais do que duas vezes por semana com xampu suave e dormir com máscaras hidratantes para melhorar a maleabilidade e brilho.

Especialistas afirmam que maioria xampus para tratamento e cremes de pentear especiais atuam melhorando o fluxo sanguíneo para os folículos, mas frisam que a única solução tópica com pesquisa científica é o minoxidil, que dilata os vasos sanguíneos podendo prolongar o crescimento dos fios.

Segundo dermatologistas, suplementos também podem ser úteis para tratamentos capilares, mas precisam ser receitados por médicos. Muitos contêm substâncias que podem provocar alterações hormonais

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.