Britânica diz ter sido “salva” do câncer pela Cøvid-19

Sem titulo 448

Uma britânica mãe de três filhos diz ter sido “salva” pela covid-19 depois que uma visita ao médico por causa de uma dor de garganta, que ela pensava ser causada pelo coronavírus, mas acabou se revelando câncer de tireoide e rim.

De acordo com o tabloide britânico Daily Mail, a diretora de desenvolvimento de vendas Jemma Falloon, de 41 anos, suspeitava estar com covid longa (quando os sintomas da doença duram meses), pois a dor de garganta continuou por mais de um mês após ser diagnosticada com o vírus.

A moradora de Ellesmere Port, em Cheshire, no Reino Unido, diz ao jornal que normalmente teria ignorado o sintoma, mas foi ao clínico geral em novembro de 2020 após apresentar dor de garganta, dor nas costas e sangue na urina.

O médico pediu vários testes e ela descobriu que tinha câncer de tireoide e rim em dezembro de 2020.

“É uma coisa muito estranha de dizer, mas a covid ‘salvou’ minha vida. Se eu estivesse trabalhando fora da pandemia, teria continuado normalmente. Perdi um colega para a covid e um amigo próximo está muito mal. É difícil quando você vê o impacto nas pessoas, mas pra mim significa o diagnóstico dos dois cânceres, pois, de outra forma, possivelmente não teriam sido encontrados. Tive muita sorte”, revela a britânica ao Daily Mail. Ela mora com o marido Mark, de 43 anos, que é maquinista, e os filhos Louis, de 17, Magnus, de 4, e Bronwen, de 3.

Como mostra o tabloide, Jemma Falloon teve covid-19 enquanto treinava para uma prova de triatlo em outubro de 2020 e diz que foi “uma porrada”, apesar de se orgulhar de ter uma boa forma física.

“Eu tive dificuldade para andar até o banheiro e mesmo para respirar. Levei um tempo para me recuperar, não apenas os 10 dias que passei isolada”, conta a britânica.

Um mês depois, ela ainda estava com dor de garganta e notou um caroço no pescoço, então decidiu consultar o médico. “Eu ainda não estava me sentindo bem, mas pensei que talvez fosse covid longa”, afirma Jemma ao periódico.

Ela fez exames de sangue e ultrassom no hospital Ellesmere Port. Apenas 48 horas após os resultados, o médico ligou para dizer que um “nódulo suspeito” havia sido encontrado em sua tireoide.

Após uma ressonância magnética e tomografia computadorizada, ela foi chamada ao hospital na véspera de ano novo de 2020. “Eles me disseram que havia suspeita de câncer e que precisariam operar o mais rápido possível”, conta.

Jemma Falloon foi então transferida para o hospital Arrowe Park, em Birkenhead, mas a remoção parcial do rim (procedimento conhecido como nefrectomia) foi adiada para março de 2021.

Em 21 de maio, no hospital Countess of Chester, cirurgiões removeram metade de sua tireoide, devido ao câncer papilar, o tipo mais comum nesse órgão.

Agora, conforme o Daily Mail, a diretora de desenvolvimento de vendas precisará fazer exames de rotina na tireoide e nos rins a cada três, seis e 12 meses durante os próximos 10 anos.

“Apesar de tudo, estou em ótima forma, mas ainda não estou sem nenhuma evidência de doença”, diz Jemma ao tabloide britânico.

Ela está se reajustando à vida normal e até participou de um evento no mês passado, caminhando 21 km com o marido e um amigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.