Bolsonaro homenageia policial e diz que mídia iguala criminoso a cidadão comum

Bolsonaro 30abr2021 apoaidores 1 868x644 1

O presidente Jair Bolsonaro usou o Twitter neste domingo (9.mai.2021) para se solidarizar com o policial civil André Leonaldo, morto em operação que deixou outras 27 vítimas na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. Disse que a mídia e a esquerda igualam criminosos a “cidadão comum” e os tratam como “vítimas“.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou, na 6ª feira (7.mai.2021), que subiu para 28 o número de mortos em uma operação contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na zona norte da capital, realizada na 5ª feira (6.mai.2021).

A operação Exceptis foi deflagrada sob coordenação da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, com o apoio do Departamento Geral de Polícia Especializada, do Departamento Geral de Polícia da Capital e da Coordenadoria de Recursos Especiais.

A Polícia Civil disse ter recebido denúncias de que traficantes estão aliciando crianças e adolescentes para integrar a facção que domina o território.

Para Bolsonaro, a mídia e a esquerda igualam traficantes que roubam, matam e destroem famílias com “cidadão comum, honesto, que respeita as leis e o próximo”. “Parabéns à Polícia Civil do Rio de Janeiro!“, completou.

Bolsonaro prestou homenagens ao policial civil André Leonardo, morto durante a operação. Disse que o ex-agente será lembrado pela coragem, assim como outros da forças de segurança que arriscam a própria vida para proteger a população.

O grupo de sociedade civil Observatório de Direitos Humanos do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) divulgou uma carta aberta em que pede “justiça” para os 28 mortos na operação. O documento foi assinado por famosos como o ator Wagner Moura e a cantora Daniela Mercury.

PGR PEDE ESCLARECIMENTOS

O procurador geral da República, Augusto Aras, solicitou, na 6ª feira (7.mai), esclarecimentos às autoridades do Rio de Janeiro sobre a operação policial.

Foram encaminhados ofícios ao governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), ao procurador-geral de Justiça do MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro), Luciano Mattos, às polícias Civil e Militar do Rio de Janeiro, ao TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) e à Defensoria Pública do Estado. O prazo para envio das informações é de 5 dias úteis.

Aras pede explicações sobre as circunstâncias da operação policial. O procurador citou a possibilidade de responsabilização dos envolvidos na ação, caso se comprove que houve descumprimento da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que suspendeu operações policiais em comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia.

CORREÇÃO: Diferentemente do que foi dito antes nesta reportagem, Bolsonaro não disse na publicação que a mídia e a esquerda matam e destroem famílias. O texto foi corrigido às 0h58 desta 2ª feira (10.mai.2021). Ao tratar da Rede Globo em live divulgada no sábado (8.mai.2021), o presidente disse que a emissora destrói famílias. Também chamou a Revista Época de “porcaria”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.