Bolsonaro bloqueia Freixo no Twitter após ser chamado de “monstro”

bolsonaro freixo 868x644 1

O presidente Jair Bolsonaro bloqueou nesta 4ª feira (5.mai.2021) o deputado federal Marcelo Freixo (Psol-RJ) no Twitter após o congressista o responsabilizá-lo indiretamente pela morte do ator e humorista Paulo Gustavo, vítima da covid-19.

Ao saber da morte do ator, o presidente manifestou pesar. “Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a covid”, disse Bolsonaro no Twitter.

Freixo então comentou a publicação do chefe do Executivo: “Você vai pagar pelos seus crimes, seu monstro. Cínico”. Horas depois, o deputado voltou a falar sobre o presidente: “Monstro, genocida e cínico. Seu lugar é na cadeia”.

Na manhã desta 4ª feira (5.mai), Freixo informou no Twitter que o presidente o bloqueou na rede social: “O maior assassino desse país acabou de me bloquear aqui no Twitter. Além de tudo, é um covarde”.

Outros usuários também comentaram no mesmo tom que o congressista na publicação de Bolsonaro

BLOQUEIOS DE BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro já bloqueou diversos usuários nas redes sociais e o tema está em debate no STF (Supremo Tribunal Federal).

O procurador-geral da República, Augusto Aras, já manifestou-se duas vezes a favor de o presidente ter direito de bloquear usuários em suas redes sociais. A 1ª vez foi em 6 de novembro de 2019 e a 2ª, foi em 12 de setembro de 2020.

A Corte analisa mandatos de segurança movidos pela deputada Natália Bonavides (PT-RN), pelo jornalista e ex-candidato a vereador William de Lucca, e pelo advogado Leonardo Medeiros Magalhães.

O caso do advogado começou a ser analisado em plenário virtual, mas o ministro Nunes Marques interrompeu o julgamento e levou a ação ao plenário presencial do STF, em 17 de novembro de 2020. Ainda não há data definida para que o tema seja retomado.

O caso do jornalista, que também estava em plenário virtual, foi ao plenário presencial por decisão de Nunes Marques. A relatora, Cármen Lúcia, votou a favor do desbloqueio do usuário. O ministro, no entanto, apresentou destaque e, na prática, retirou o julgamento do plenário virtual. Também não há data prevista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.