Barroso, do STF, divulga vídeo com defesa de descriminalização da maconha

PoderEmFoco SBT RobertoBarroso STF FernandoRodrigues 17 868x644 1
Poder Em Foco - Ministro Roberto Barroso (STF) é o entrevistado do Poder em Foco, programa semanal realizado por meio de parceria editorial entre SBT e Poder360 que vai ao ar por volta da meia-noite | Sérgio Lima/Poder360 09.mar.2020

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso compartilhou neste sábado (8.mai.2021), no Twitter, vídeo no qual uma mulher, chamada de Dona Tereza, defende a descriminalização da maconha.

“O depoimento dessa senhora vale por alguns tratados jurídicos e sociológicos. Merece ser visto com atenção e respeito”, disse o magistrado ao fazer a publicação.

“Legaliza essa porcaria. Começa a vender lá na farmácia (…) que eu quero ver os grandes empresários se matarem iguais aos nossos estão se mantando por um dinheiro que nem é deles. Porque eles vendem droga, morrem por causa da droga, são presos por causa da droga, mas nenhum de nós, nenhuma de nós tem o dinheiro da droga para pagar um advogado para ele”, diz a senhora, que parece se direcionar a mulheres que têm filhos e maridos presos.

E acrescenta: “Legaliza! Vai fumar quem quiser fumar porque ninguém é [será] obrigado a fazer nada porque proibido já tá todo mundo fumando. Esse é um ponto”.

Dona Tereza também faz crítica à superlotação dos presídios e defende que os recursos gastos com a construção de novas penitenciárias sejam destinados à 1ª infância. “Tem que ser criadas creches para quando a gente for trabalhar o nosso filho não precisar ficar jogado por aí nem a gente precisar tirar do bolso para pagar uma pessoa e não poder comprar um tênis pra ele”, diz, sugerindo que os jovens entram no crime por necessidades como a de ter um tênis novo.

A mulher diz ainda que metade da responsabilidade sobre uma pessoa se tornar criminosa é do Estado.

“Ninguém faz um filho pra se tornar criminoso. No caminho da vida ele pega um atalho e para no cárcere, e essa responsabilidade não pode ser nossa. Metade dessa responsabilidade é do Estado, que não nos dá melhores condições de criar os nossos filhos, que protege meia dúzia de riquinho. Porque o pau que bate em Chico não dá em Francisco e esse pau precisa começar a bate do lado de lá. Vamos reivindicar os nossos direitos. com sabedoria e determinação”, diz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.