Auxílio tem nova proposta que prevê parcelas de R$ 400 até fim de 2022

ew2h1zyd3cv0fxo8t264065qp

O governo federal estuda complementar o Auxílio Brasil, o novo Bolsa Família, com mais duas parcelas, uma dentro e outra fora do teto de gastos. O estudo é feito pensando no fim do auxílio emergencial,  que já está tendo a última parcela paga.

De acordo com apuração do Estadão/Broadcast, essa possibilidade elevaria o Auxílio Brasil para, em média, R$ 400 durante todo o ano de 2022, quando o presidente Jair Bolsonaro tentará se reeleger. Esta é uma das várias opções que estão sendo estudadas. Na segunda-feira (18),  Bolsonaro chegou a falar na prorrogação do próprio auxílio emergencial.

Pagamento fora do teto de gastos

Continua após a publicidade

De acordo com o Estadão/Broadcast, a equipe do Ministério da Economia tenta frear qualquer possibilidade de benefício que ultrapasse o teto de gastos, mas a ala política do governo quer enfraquecer o ministro Paulo Guedes.

Desde sábado, se intensificaram as conversas no governo a respeito das políticas sociais. De acordo com apuração do Estadão/Broadcast, está ficando definido um auxílio temporário que será pago de forma complementar ao Auxílio Brasil.

Leia Também

João Roma confirma valor do Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família

Diretor da CNTTL confirma greve dos caminhoneiros: “Categoria foi traída”

Auxílio tem nova proposta que prevê parcelas de R$ 400 até fim de 2022

Como seria o auxílio dobrado

A alternativa seria, portanto, pagar o Auxílio Brasil no valor que cabe dentro do Orçamento. Com isso, a parcela seria de R$ 194,45, valor estimado em parecer de mérito elaborado pelo Ministério da Cidadania e obtido pelo Estadão/Broadcast por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Leia também

Duas parcelas de auxílio temporário seriam adicionadas a esse valor, cada uma delas de R$ 100. O público atingido seria o mesmo do Auxílio Brasil, elevando o benefício a R$ 400 até o final de 2022.

Uma das parcelas de R$ 100 cabe no teto de gastos, fazendo o benefício chegar a R$ 300 a partir de novembro. A outra, que faz o auxílio chegar a R$ 400, seria paga fora do teto a partir de dezembro. De acordo com fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, o movimento do governo agora é para convencer Guedes, já que “apenas parte” do benefício ficaria fora do limite de despesas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.