Atletas militares impressionam com desempenho extraordinário nas Olimpíadas de Tóquio

54

Atletas das Forças Armadas comprovam o sucesso do ensino militar

Como se sabe, o Brasil alcançou, nas Olimpíadas de Tóquio, a sua melhor colocação histórica, chegando à 12ª posição no quadro de medalhas. Foram 21 no total, e oito delas foram conquistadas por militares das Forças Armadas brasileiras. Sim, aqueles mesmos que comemoraram fazendo continência no pódio.

Embora representassem apenas 30% de todo nosso time olímpico (91 de 302 atletas), os militares conquistaram 38% das nossas medalhas. Graças a eles, conseguimos 3 das nossas 7 medalhas de Ouro, 1 das nossas 6 medalhas de Prata, e 4 dos 8 Bronzes. Todos são integrantes do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) do Ministério da Defesa, que disponibiliza soldo, assistência médica, acompanhamento nutricional e fisioterapia para os nossos melhores talentos, que também são incorporados às Forças Armadas.

Curiosamente, todos os medalhistas militares têm a patente de Terceiro-Sargento: Ana Marcela Cunha (Ouro na maratona aquática de 10 quilômetros), Hebert Conceição (Ouro no boxe peso médio), Kahena Kunze (Ouro na vela classe 49er FX), Beatriz Ferreira (Prata no boxe peso leve), Alison dos Santos (Bronze nos 400 metros com barreira) e Daniel Cargnin (Bronze no judô) são todos 3º Sargentos da Marinha, e os medalhistas Abner Teixeira (Bronze no boxe peso-pesado) e Fernando Scheffer (Bronze na natação) são, também, 3º Sargentos, mas do Exército.

Nas Forças Armadas, não têm espaço para mi-mi-mi, vitimismo, militância e ”lacração”. É foco, maturidade, disciplina e trabalho. Imaginem só se toda a juventude brasileira fosse educada sob esses moldes…

Algo errado com esse post?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.