Aras nega investigar Bolsonaro por cheques de Queiroz para Michelle

augusto aras 868x644 1
Sessão do Supremo Tribnal Federal que a nalisa uso de dados sigilosos sem aval da Justiça| Sérgio Lima/Poder360 28.nov.2019

O procurador-geral da República, Augusto Aras, disse ao STF (Supremo Tribunal Federal) que não vai investigar o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) pelos pagamentos de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. A decisão foi enviada, em ofício, ao gabinete do ministro do STF Marco Aurélio Mello. Eis a íntegra (123 KB)

De acordo com Aras, os argumentos contra Bolsonaro “são inidôneos, por ora, para ensejar a deflagração de investigação criminal, face à ausência de lastro probatório mínimo”. 

O pedido de investigação pelo Supremo foi feito em 2020 pelo advogado Ricardo Bretanha Schmidt. Em uma notícia-crime enviada ao STF, Schmidt citou reportagem da Revista Crusoé, afirmando com base na quebra do sigilo bancário de Queiroz que ele depositou R$ 72.000 na conta de Michelle Bolsonaro, de 2011 a 2016.

Apuração do Jornal Nacional mostrou que Michelle Bolsonaro também recebeu dinheiro de Márcia Aguiar, mulher de Queiroz. Foram 5 cheques de R$ 3.000 e 1 cheque de R$ 2.000, totalizando R$ 17.000.

Somando os valores de Márcia e Queiroz, a primeira-dama recebeu R$ 89.000.

Algo errado com esse post?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.