Após “lockdown total”, casos de Covid-19 disparam em municípios de Pernambuco

Untitled 1 2 1068x601 1

Algumas cidades tiveram um aumento de quase 600% no número de pessoas infectadas.

Duas semanas após 16 prefeitos pernambucanos fecharem completamente as cidades, com proibição de comércio e restrições a liberdades individuais, os boletins epidemiológicos das secretarias de saúde registraram um grande aumento do número de infectados pela covid-19 em comparação ao mesmo período de duas semanas anteriores ao início do lockdown. Algumas cidades tiveram um aumento de quase 600% no número de pessoas infectadas.

Liderados pelo prefeito de Afogados da Ingazeira e presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Patriota, os prefeitos contaram com o apoio de promotores de justiça e do governador do Estado, Paulo Câmara, para impor o “lockdown total” às cidades impedindo até o funcionamento dos comércios “essenciais”.

Anúncio:

A medida vigorou entre os dias 24 e 28 de março e foi imposta sob pretexto de combater o avanço da peste chinesa. A decisão autoritária e anticientífica foi tomada durante uma reunião presencial e sem distanciamento social entre os participantes. As cidades que aderiam ao decreto foram Afogados da Ingazeira, Brejinho, Calumbi, Carnaíba, Flores, Iguaracy, Ingazeira, Quixaba, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Terezinha, São José do Egito, Solidão, Tabira, Triunfo, Tuparetama e Sertânia.

Seguindo as orientações de especialista que afirmam que o infectado pode demorar de 10 a 15 dias para testar positivo para covid-19, analisamos o número de infectados das cidades em três momentos: duas semanas antes do anúncio do lockdown, no dia do anúncio e duas semanas depois do fim das restrições. Assim, temos como parâmetro, o número de infectados nas seguintes datas: 09 de março (15 dias antes do lockdown), 24 de março (início do lockdown) e 13 de abril (15 dias após o término do lockdown).

Casos por municipio antes e depois do lockdown Infogram 01 622x1024 1

Em Afogados da Ingazeira, a Secretaria de Saúde tinha confirmado 3.013 casos no dia 09 de março. Em 24 de março, esse número havia subido para 3.320 (aumento de 307 novos infectados em 15 dias). No dia 13 de abril, os casos confirmados somavam 3.626 (aumento de 306 novos infectados em relação à data anterior). Ou seja, as medidas restritivas impostas pelo prefeito não impactaram, praticamente, em nada no combate ao vírus. Duas semanas após o lockdown, a Secretaria de Saúde registrou apenas um caso a menos do que no período anterior às restrições.

No município de Brejinho, foram confirmados 361 casos no dia 09 de março. Em 25 de março (não há boletim no dia 24), esse número havia subido para 370 (aumento de 9 casos). Em 13 de abril, a Secretaria de Saúde confirmou 431 casos no município (aumento de 61 novos casos em relação ao dia 25). Isso representa um aumento de quase 600% após o lockdown.

Em Calumbi, os 372 casos confirmados em 09 de março, passaram para 377 no dia 24 de março e para 387 em 13 de abril. Entre a primeira e a segunda data houve um aumento de 5 casos. Do fim do lockdown até o dia 13 de abril houve um aumento de 10 casos, o que representa 100% de aumento em relação ao período anterior.

Entre a primeira e a segunda data, o município de Carnaíba teve um aumento de 56 casos e duas semanas após o fim do lockdown confirmou o acréscimo de 77 novos casos. Em Flores, os casos confirmados somavam 735 do dia 10 de março e 769 no dia 25 de março (não há boletins dos dias anteriores). Houve, portanto, um aumento de 34 casos entre a primeira e a segunda data. No dia 13 abril, o número de casos confirmados saltou para 810, um aumento de 41 novos casos, 7 a mais que no período anterior.

O último boletim divulgado pela prefeitura de Iguaracy foi no dia 07 de abril, mesmo assim é possível verificar um aumento significativo dos casos no período pós-lockdown. Em 24 de março, o município tinha 503 casos, 41 a mais do que havia sido registrado no dia 09 de março. E, em 07 de abril foram confirmados 559 casos no município, 56 a mais que o período anterior.

Sertânia e Tabira mais que dobraram o número de contaminados após as medidas restritivas e o município de Ingazeira teve um aumento de quase 600% no número de infectados após o lockdown.

Evidências científicas

Ainda em 2020, um estudo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) concluiu que o isolamento social pode aumentar as mortes por Covid-19. Em dezembro do ano passado, um estudo da Universidade de Stanford concluiu que o lockdown não diminui a transmissão de Covid-19.

Em março deste ano, o Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal publicou nota condenando as medidas de restrição e isolamento forçado como forma de controlar a transmissão da Covid-19. Também, por mais de uma vez, a Organização Mundial da Saúde (OMS) condenou o lockdown como método de contenção do Covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.