dentro

Após esquartejar atriz pornô, homem guarda o corpo em congelador e passa 2 meses fingindo ser ela para despistar a polícia

O bancário Davide Fontana, que confessou ter matado a atriz pornô Carol Maltesi, de 26 anos, num caso que chocou a Itália, usou o celular dela por dois meses e meio para despistar o crime.

A imprensa italiana informou que o homem de 43 anos se passou por Carol ao mandar mensagens para os contatos dela, enquanto fingia ser a vítima. As informações são da página Extra, do portal Page Not Found.

A modelo era mãe de um menino de 6 anos e usava o nome artístico de Charlotte Angie. Os parentes dela não desconfiaram, mas ele chegou a receber a ligação de um jornalista, após o corpo ter sido encontrado.

O repórter não acreditou nas desculpas dele e insistiu para falar com a Carol, segundo informações do jornal espanhol El País. O homem fez um registro do desaparecimento dela para tentar despistar a possibilidade da polícia localizá-lo. Contudo, ele acabou confessando o crime.

Em janeiro, o histórico de compras online de Davide mostrou que ele adquiriu um freezer, um machado de uma serra de metal. O material foi utilizado por ele para esconder o corpo de Carol.

A mulher foi esquartejada e teve seus membros divididos em 15 sacos de lixo, guardados dentro do congelador. Cerca de 70 dias depois, Davide os largou na encosta de uma montanha a 120 quilômetros de sua casa.

Eles se conheceram em um hotel em Milão em outubro de 2020, durante o pico da pandemia de coronavírus, e começaram a gravar filmes pornográficos até que, entre 10 e 11 de janeiro deste ano, Carol foi agredida com um martelo e esfaqueada.“Eu limpei o apartamento e lavei os panos na máquina de lavar”, relatou Davide sobre suas ações após o crime.

Os restos mortais de Carol foram achados em 20 de março por um homem de 60 anos que caminhava pela área. Sua identificação foi possível pela análise de suas tatuagens, cujas imagens foram divulgadas para facilitar o trabalho policial, de forma que vários fãs da atriz entraram em contato para avisar que a reconheceram. No dia 29, Davide foi até a polícia e confessou.

Nas internet, Carol já havia postado sobre violência contra mulheres: “É um tema com o qual me preocupo bastante”.

O que você acha?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.