Adriane Galisteu responde perguntas dos internautas sobre Ayrton Senna

483633 374186639336468 763334331 n

No dia 28/03/2012 Adriane Galisteu respondeu perguntas dos internautas sobre Ayrton Senna, Família Senna e Xuxa para a Revista Quem, http://revistaquem.globo.com. Abaixo a entrevista:

Gostaria que falasse do amor que viveu com Ayrton Senna.
Mª Elizabeth Bezerra, Fortaleza (CE)

É difícil falar, teria que fazer uma entrevista gigante para responder a essa pergunta.
O fato é que foram momentos muito especiais da minha vida, e tenho certeza de que
o fiz muito feliz. Isso me deixa tranquila e em paz. Foi um horror tudo o que aconteceu na vida dele e na minha. É um cara que faz falta, não só como homem, mas como brasileiro, como ídolo. Ele era uma pessoa muito iluminada. Guardo essa história com muito carinho. É como se o tempo não passasse. Por isso escrevi o livro, foi uma catarse, uma terapia com
o Nirlando Beirão, o ghost writer de O Caminho das Borboletas.

Você guarda alguma mágoa da família do Senna?
Juliana Terra, Resende (RJ)

Não. Hoje, como mãe, posso dizer isso com mais clareza. Se eu perdi um namorado e o Brasil perdeu um ídolo, a mãe dele perdeu um filho! Depois da morte do Ayrton, eu perdi o meu irmão. Minha mãe enlouqueceu. Ninguém é dono da razão nesse momento. Você acha que a mãe dele pensou em mim? Que eles pensaram em mim naquele momento? Não. Talvez pudessem ter um cuidado? Talvez. Mas quem sou eu para julgar? Entendi, na morte do meu irmão, como minha mãe ficou, as reações dela. São coisas que você não pode julgar. Se a família me telefonar, eu os atenderei prontamente.

Depois de tanta tragédia em sua vida, como consegue seguir em frente sem revolta? Daniel Oliveira, Taubaté (SP)

Eu me entristeço, choro e me deprimo, mas não me permito ir muito adiante com isso. E, quando estou esmorecendo, minha mãe, que é muito forte, diz: “Quer que eu comece te contando a nossa história? Vamos lá na Lapa, porque a casa está lá. Você não pode ter medo de trabalho, das suas decisões, você é uma mulher que sabe a educação que tem!”. Então, não guardo rancor. Tenho pavor de morrer de câncer. Acredito que o câncer, sem generalizações, é uma doença que tem a ver com mágoa. Gosto de botar para fora. Erro publicamente, peço desculpas se tiver que pedir. Eu sou humana, não a rainha da razão.

Você e Xuxa têm muitos amigos em comum, apesar de não se gostarem. Já houve tentativa de aproximação? Felipe Vieira, São José (SC)

Não é verdade. A gente não se conhece. Existe uma diferença enorme entre não se gostar e não se conhecer. Nunca conversei com a Xuxa um minuto! Tenho amigos em comum e sei que ela fala de mim coisas que não são verdadeiras. Sei lá que tipo de história contaram a meu respeito, que tipo de Adriane ela acha que sou. Também contam histórias dela para mim. Mas sou diferente e gosto de ser assim. Se você chegar para mim e contar alguma coisa de alguém, não vou acreditar, definitivamente. Prefiro esperar as coisas acontecerem com o tempo. Acho que o fato de a gente não se conhecer, de ela ter namorado o Ayrton, de ser apresentadora e loira causa ainda mais essa situação. Existem muitas coincidências nessa história e acho que o tempo há de colocar as coisas em seus lugares.

***************************************

Para o Jornal o Dia: http://odia.ig.com.br, na mesma data 28/03/2012, ela lamentou a maneira como foi tratada pela família Senna e confessou que sente muitas saudades de Ayrton Senna:

Falou da saudade que sente de Ayrton Senna, com quem namorou pouco mais de um ano, e lamenta a maneira como a família do piloto a tratou depois de sua morte: “Você acha que a mãe dele pensou em mim? Não. Talvez pudessem ter um cuidado?” disse Adriane.

Ayrton Senna e Adriane Galisteu namoraram um ano e meio. Os dois moravam juntos quando o piloto sofreu o acidente que o matou, em 1994.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.