Acusado de cometer mais de 100 estupros foge de presídio

Sem titulo 528

Um dos maiores abusadores da história de Goiás conseguiu fugir do presídio. Já condenado a 196 anos de prisão e acusado de cometer mais de 100 estupros, Wanderson Alves Carvalho, conhecido como Dentinho, aproveitou-se do momento em que fazia um trabalho de limpeza numa das unidades do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia e fugiu.

Ele havia sido preso em 2004. A Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou neste domingo (19/12) que instaurou um processo de investigação para apurar as causas e circunstâncias da fuga de Wanderson. Ele cumpria pena na Penitenciária Odenir Guimarães (POG).

Conforme apuração da polícia, até então, o criminoso havia sido escoltado da POG até a base do Grupo de Guaritas e Muralhas (GGM), que fica nas dependências da Gerência de Segurança, para fazer a limpeza do local. No início da noite, no entanto, as equipes do GGM que retornaram à POG notaram que ele não havia voltado para o presídio.

As polícias Militar e Civil foram acionadas para ajudar a Polícia Penal na investigação iniciada pela DGAP. A intenção do órgão é analisar todas as possibilidades envolvendo o caso para que sejam aplicadas as devidas sanções aos envolvidos.

História

“Dentinho” agiu entre 2001 e 2004, em Goiânia e região metropolitana. Para cometer os estupros, ele costumava usar uma bicicleta, vestia boné e bermuda. Ele abordava, principalmente, universitárias e a tática era quase sempre a mesma.

O abusador pedia uma informação na rua e, quando a mulher ia responder, ele a atacava com uma arma. Em seguida, a vítima era levada para uma área baldia, onde ele não só praticava o estupro, mas também roubava pertences, como joias e celulares.

Wanderson chegou a fugir da prisão numa situação anterior, em maio de 2004, em Paraúna (GO), a 160 quilômetros de Goiânia. Nessa fuga, a polícia levou quase um mês para localizá-lo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.