Major da reserva agride esposa, mata porteiro e depois tira a própria vida.

Uma briga de casal com agressão à mulher, um tiro fatal, um suicídio. A tragédia ocorreu ontem à noite no Edifício Monte Pascoal, na Rua Tenente João Cícero, 842, em Boa Viagem.

Tudo começou com uma discussão de casal. Só que o marido estava embriagado e tomava remédios tarja preta (Rivotril e o alucinógeno Stilnox). O major médico da reserva da PM Carlos Frederico Cabral da Silveira, 61 anos, agrediu a esposa, a também médica Windsa Maria Leite Pinheiro, 43 anos, quebrando o seu nariz.

Desesperada, Windsa conseguiu fugir para um apartamento vizinho, junto com a filha de 17 anos, de um relacionamento anterior.

Irritado, e sem saber que ela estava no mesmo andar, o major desceu armado com um revólver até a portaria, indagando aos gritos ao porteiro José Washington de Santana, de 53 anos, se havia visto a esposa. Diante da negativa, provavelmente achando que o porteiro mentia, fuzilou José Washington com um tiro fatal na cabeça.

Apavorados com os gritos e o tiro, moradores do Monte Pascoal ligaram para a Polícia, enquanto o major médico, consumado o crime, voltava ao apartamento. Quebrou os celulares da casa e atirou no notebook.

Em meia hora, viaturas do Bope foram acionadas. Os PMs subiram ao primeiro andar para tentar prender o major. Encontraram o corpo do médico caído, com um tiro na cabeça.

Windsa foi socorrida e até esta manhã ainda estava internada num hospital. Teve o nariz quebrado e vários hematomas pelo corpo. A filha nada sofreu fisicamente