Dilma ataca novamente e agora fala em “auto-suicídio”. – Comunidade F7

Dilma Rousseff voltou a assombrar os brasileiros com mais de cinco neurônios ao dissertar sobre algum tema que ninguém sabe qual é. O que se vê na live sugere que tem algo a ver com Jair Bolsonaro. Confira o palavrório:

“A violência? O que… o que qui é o Estado? Uma parte do Estado, nós sabemos, é justiça e violência. A violência, com Bolsonaro, ela seria privatizada. Si… si… os senhores… é… oficiais generais e o resto da oficialidade aceitarem algo simliar a isso… seria, do meu ponto de vista, até onde eu enxergo… uma… uma… eu acho… um auto-suicídio”.

Sim, o dilmês é indecifrável e intraduzível. Sim, Dilma Rousseff nunca falou coisa com coisa. Mas duas invenções da ex-presidente  precisam ser analisadas por uma junta que reúna um linguista, um psiquiatra, um vidente, um veterinário e um botânico.

A primeira é “violência privatizada”.  Se Dilma desconfia que Bolsonaro sonha com a privatização da violência, pode-se deduzir que a coisa é atualmente administrada por um ministério, uma estatal ou uma empresa de economia mista. Eis aí um enigma a decifrar.

O segundo surto de criatividade enriqueceu o dilmês com a expressão “auto-suicídio”. Segundo os dicionários, suicidio é o ato de causar a própria morte de forma intencional. Um “auto-suicídio” ocorre quando uma pessoa ordena a si mesma que se mate intencionalmente. É isso? Se for, alguém conhece ao menos um único e escasso “auto-suicida”?

Ainda que formada por sumidades internacionais, é improvável que a junta desvende tais mistérios. Mas seus integrantes poderiam atestar oficialmente que o Brasil sobreviveu por mais de cinco anos à pior governante da história da Humanidade.