Repórter da Band é agredida brutalmente, emissora entra na justiça e exige punição severa: “Selvageria” – Comunidade F7

Clarissa Oliveira, repórter da Band, foi agredida fisicamente durante manifestação favorável ao presidente Jair Bolsonaro em Brasília.

A truculência e autoritarismo contra profissionais da imprensa está cada vez mais em alta no Brasil em tempos de pandemia de Coronavírus. Isso porque o jornalismo brasileiro vem atuando pesado na necessidade de desmistificar desinformações sobre a doença, ao contrário do que fazem apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que mais uma vez agrediram um repórter.

Depois de um integrante da equipe do jornal O Estado de S. Paulo, neste domingo foi a vez novamente de um profissional do jornalismo brasileiro ser agredido fisicamente. A exemplo da primeira vez, essa agressão aconteceu durante uma manifestação de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, que aconteceu em frente ao Palácio do Planalto.

Enquanto esperava para entrar ao vivo pela Band News TV, a repórter Clarissa Oliveira foi atingida na cabeça com  mastro de uma bandeira do Brasil por uma manifestante. Ela, que circulava pelo local com a bandeira, agiu de maneira irônica após o acontecido e pediu desculpas ali mesmo, mas rindo muito, como se estivesse debochando da agressão.

Em nota enviada para a imprensa, a direção de jornalismo da Band lamentou o que classificou como “prova desrespeito ao trabalho da imprensa”. O canal afirmou ter feito um boletim de ocorrência e exigiu punição exemplar para a agressora, que “ofende a liberdade de imprensa e a todos os jornalistas”.