SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Familiares e amigos de Gugu Liberato, morto aos 60 anos de idade no final de novembro, participaram de uma missa pelo apresentador na tarde deste sábado (7), em São Paulo. A mãe de Gugu, Maria do Céu, a irmã Aparecida Liberato e o irmão Amandio Liberato participaram da cerimônia, que contou também com a presença de Luiza Ambiel e da apresentadora Sônia Abrão.
“A morte não é o limite para uma amizade”, disse Sônia Abrão ao chegar à igreja. “Vim para dar meu apoio para a família e para a dona Maria do Céu no momento dessa perda, que é a maior do mundo.” “Que as homenagens que o Gugu está recebendo pelo Brasil sejam um ponto de apoio, de suporte para a família nesse momento”, completou a apresentadora.
“Estamos aqui para agradecer pelo privilégio de ter vivido ao seu lado, por seu olhar sempre amoroso seu sorriso meio tímido e cheio de amor”, disse Aparecida, em uma mensagem lida para o irmão durante a cerimônia. “Seu tempo ao nosso lado foi curto, e a despedida dói demais”, concluiu.
O irmão de Gugu, Amandio, afirmou, no final da cerimônia, que ainda se recupera da morte do apresentador. “Mas agora temos um anjo pelo qual podemos chamar, e o nome dele é Gugu”, disse.
Luiza Ambiel, revelada pelo apresentador, afirmou mais uma vez ser grata pelo apoio que Gugu deu para sua carreira. “A gente vem pelo amor e pelo carinho que tem por ele, mas eu ainda não acredito que aconteceu”, afirmou Ambiel. “Ele me ajudou muito, me orientou e me tirou de várias frias. Sou muito agradecida.”
A missa aconteceu na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Jardim Paulistano (zona oeste), e foi celebrada pelo padre Osmar Alves Souza. “Somos gratos por tudo que ele nos proporcionou ao longo de sua existência, pelas experiências compartilhadas e pelo seu exemplo de vida”, disse o padre durante a cerimônia que emocionou a família do apresentador. “Saiba que jamais iremos nos esquecer de tudo aquilo que seu filho deixou para todos nós”, completou, ao presentear a mãe de Gugu com uma bíblia.
MORTE TRÁGICA
O apresentador Gugu Liberato, 60, teve a morte confirmada na noite do dia 22 de novembro, após ele passar dois dias internado em um hospital de Orlando, na Flórida, Estados Unidos, em decorrência de uma queda sofrida em casa. Ele despencou de uma altura de quatro metros, quando fazia um reparo no ar-condicionado instalado no sótão.
Cerca de duas semanas antes do acidente, Gugu foi dado como morto pela rede social da própria emissora, a Record. Na ocasião, ele teve de ir a público confirmar que estava bem. “Pessoal, alguém publicou que eu tive um enfarto. É fake, tá? Estou muito bem, obrigado”, escreveu ele em seu Twitter.
Após a queda sofrida em sua casa, os médicos constataram que o apresentador não apresentava mais atividade cerebral, segundo a nota de falecimento, que não especifica a data exata da morte. Os familiares então autorizaram a doação de todos os seus órgãos, o que poderia beneficiar até 50 pessoas.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) lamentou a morte do apresentador em suas redes sociais: “O país perde um dos maiores nomes da comunicação televisiva, que por décadas levou informação e alegria aos lares brasileiros. Que Deus o receba de braços abertos e conforte os corações de todos”, disse a mensagem.
Já o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), decretou luto de três dias em razão da morte do apresentador, que ele classificou como “um de seus principais comunicadores”: “O Brasil perde um talento”, afirmou em nota. Já a Assembleia Legislativa ofereceu o salão nobre para a realização do velório.
Gugu Liberato deixa a mulher, Rose Miriam, e três filhos: João Augusto, de 18 anos, e as gêmeas Marina e Sofia.
TRAJETÓRIA
Gugu, que começou a trabalhar como office-boy em uma imobiliária em São Paulo, teve uma carreira repleta de sucessos e polêmicas, que incluem desde a famosa Banheira do Gugu até uma entrevista com supostos membros do PCC que faziam ameaças a políticos e jornalistas –desmentida pela própria facção.
Ele contou à Folha de S.Paulo na década de 1990 que chegou a mandar cartas para Silvio Santos, com ideias e sugestões para os programas dele, até que foi chamado. Silvio resolveu dar uma chance ao menino, na época com apenas 14 anos, contratando-o como assistente de produção, quando o apresentador ainda estava na Globo.
Ao conseguir a concessão que daria origem ao SBT, Silvio deu a oportunidade de apresentador a Gugu. Passou pelo Viva a Noite, Passa ou Repassa, Sabadão Sertanejo e Domingo Legal, onde se consolidou, chegando a mudar de horário para competir diretamente com o Domingão do Faustão (Globo), até então líder no horário.
Gugu estreou na Record em 2009, onde hoje apresentava os realities Power Couple Brasil e Canta Comigo.
Gugu também foi o responsável por alavancar a carreira de algumas boy bands famosas dos anos 1980 e 1990. Entre elas, o Dominó, que estourou em 1984 com Afonso Nigro, Nill, Marcos Quintela e Marcelo Rodrigues, e o Polegar, que tinha entre os membros o cantor Rafael Ilha, que virou celebridade ainda criança.
REPERCUSSÃO
Ana Maria Braga, Xuxa, Ana Hickmann, Fátima Bernardes, Luan Santana e outros famosos lamentaram a morte de Gugu. “Triste como amigo, triste como admirador, triste como colega, triste como telespectador. O Brasil perde um comunicador que enxergava na televisão uma ferramenta poderosa para falar com o povo”, afirmou Luciano Huck.
Faustão aproveitou para esclarecer que nunca houve rivalidade com o colega: “Embora não tivéssemos amizade, sempre tivemos uma relação muito cordial e educada. Nós, que disputamos a audiência por muitos anos, fomos adversários, mas jamais inimigos. Aqui, da galera do Domingão, uma homenagem a Augusto Liberato, que foi uma das figuras mais importantes da história da televisão no Brasil”.
Já o colega de emissora Rodrigo Faro fez uma edição emocionada do programa A Hora do Faro no último dia 24, mas acabou cometendo uma gafe, ao perguntar se a audiência estava boa, sem perceber que estava sendo gravado. Alguns internautas se revoltaram e o acusaram de “amigo da onça” nas redes sociais.