Após a aprovação da lei que permite o aborto até o nascimento em Nova York, mães de diversas partes dos Estados Unidos passaram a compartilhar suas histórias de vida a fim de incentivar outras mulheres a não abortarem.
Uma delas é Kate Mckinney, que já era mãe de três filhas até engravidar novamente em março de 2018. Ela e seu marido, Bobby, estavam animados em ver a família aumentar, mas enfrentaram um grande desafio após o exame para descobrir o sexo do bebê.
Após a aprovação da lei que permite o aborto até o nascimento em Nova York, mães de diversas partes dos Estados Unidos passaram a compartilhar suas histórias de vida a fim de incentivar outras mulheres a não abortarem.
Uma delas é Kate Mckinney, que já era mãe de três filhas até engravidar novamente em março de 2018. Ela e seu marido, Bobby, estavam animados em ver a família aumentar, mas enfrentaram um grande desafio após o exame para descobrir o sexo do bebê.
A cada semana, Kate ia ao consultório e lidava com a insistência dos médicos no aborto. “Nós oramos muito. Eu pedi a Deus por um milagre na noite anterior à minha consulta de 26 semanas”, ela conta.
Na consulta, o técnico de ultra-som não mediu o tamanho do higroma cístico e Kate temeu receber uma má notícia. No entanto, uma médica que a atendeu pela primeira vez, disse de maneira doce e suave: não há mais nada para medir.
O parto de Kate aconteceu em 5 de novembro do ano passado. Seu filho nasceu em perfeito estado. “Os médicos ficaram chocados. Tanto que eles fizeram o máximo de exames possíveis tentando descobrir algo que poderia estar errado com ele. Todos deram negativo”, celebra a mãe.
O único problema que o bebê tem é um pequeno sopro cardíaco, algo comum e que se ajusta sozinho. “Isso é tudo. O bebê que tinha 0% de chance de sobrevivência está aqui e é saudável”, destacou.
“Acredito firmemente que minha fé foi testada durante esta gravidez. Deus queria ver se eu faria o impensável e concluiria Seu plano. Ele queria ver se eu creria Nele para curar nosso bebê. Rapaz, estou feliz por ter feito isso”, disse Kate.
“Eu escolho a vida. Ontem, hoje e amanhã. Vou orar por Nova York e pelos líderes que tomaram essa decisão. Como eu sei muito bem, nada é impossível para Deus”, ela completou.